Crianças

8 COMPETÊNCIAS PARA ENSINAR AO SEU FILHO E EVITAR A DEPENDÊNCIA DIGITAL

Helena

Não me levem a mal nesta minha “quase obsessão”, mas realmente este fenómeno está a tomar proporções desmesuradas. Esta semana  li vários artigos que abordavam a temática da dependência digital, muitos fizeram-me refletir e não resisti a partilhar algumas preocupações  convosco, acabando por descobrir algumas competências realmente importantes que tenho andado a descurar neste desafio de evitar a dependência digital.

Num mundo de inovação tecnológica e de  interconectividade, a aprendizagem crítica de competências essenciais de vida é cada vez mais remetida para novas aplicações, vulgo apps, e  para a internet.

As crianças entre os 8 e os 18 anos passam mais de sete horas por dia frente a um ecrã, muitas vezes acedendo a diferentes formas de media e de redes sociais simultaneamente.

Somemos mais uma hora e meia extra de mensagens de texto e concluímos que hoje em dia os pré-adolescentes e adolescentes passam cerca de 9 horas por dia em dispositivos digitais.

Para evitar que este consumo tecnológico se traduza em total dependência digital, ajude a sua criança a desenvolver as seguintes 8 competências.

1 | Como ler um mapa

Ok, lá vem ela armada em antiquada. É sabido que o  GPS é amplamente utilizado e facilmente disponível  – sim, mas só enquanto a bateria está carregada  ou exista rede disponível, correto?

Ensinar as crianças navegar usando pontos de referência, mapas, bússola, e distância  estimada  é essencial quando a tecnologia não está disponível. O efeito da dependência de GPS ainda tem de ser devidamente estudado, mas é possível que a dependência de GPS possa privar as crianças do feedback sensorial que a consciência espacial proporciona.

2 | Como fazer uma chamada telefónica

Embora os adolescentes e mesmo os adultos prefiram as mensagens de texto e os e-mails, a capacidade de falar ao telefone continua a ser essencial. Tal como a capacidade de reter e memorizar números de telefone, marcar encontros e mesmo em contexto profissional manter uma conversação, tudo isto são competências interpessoais que os miúdos também precisam de praticar.

falar-ao-telefone

3 | Como fazer uma boa caligrafia

A escrita à mão sofreu bastante com esta invasão tecnológica que já não requer que escrevamos fisicamente. Basta teclar, no entanto as competências neurológicas solicitadas para esta atividade são completamente diferentes.

Porém, a capacidade de fazer letra manuscrita é essencial nas primeiras fases de aprendizagem da leitura e da escrita, só depois temos capacidade de transferir estas aprendizagens para um teclado.

E quem não gosta de um recadinho com uma letra bem legível? Para além de que é altamente personalizada.

caligrafia

4 | Como escrever uma carta

Atualmente escrever cartas caiu completamente em desuso, há 30 anos atrás recebíamos pelo menos uma carta a cada duas semanas, e não eram contas para pagar. Escrever uma carta é um processo mais meticuloso e moroso, sem verificação ortográfica nem apresentação de sugestões de alteração. No entanto, uma carta escrita à mão reflete de melhor forma os nossos sentimentos e é uma ferramenta de comunicação inigualável.

Recordo bem a imensa excitação em abrir a caixa de correio, principalmente nas férias em que relatávamos todas as peripécias às amigas que estavam longe. Tão diferente do atual sentimento de nem querer abrir a caixa de correio pois com certeza só encontrarei lá mais uma conta para pagar.

5 | Como procurar informação  (offline)

A habilidade de encontrar informação, quer seja procurando no dicionário ou pesquisando nos livros existentes numa qualquer biblioteca, foi uma competência completamente perdida para a geração Google, completamente dependente das respostas instantâneas.

No entanto, a pesquisa tradicional poderá trazer informações mais aprofundadas e até promover a curiosidade dos miúdos para que explorem novas ideias e recursos.

Pesquisa offline

6 | Como se relacionar cara-a-cara

Hoje em dia muitas das interacções sociais simples como por exemplo, ir á loja comprar alimentos pode ser feito on-line, assim como encomendar comida para trazerem a casa pode ser feito em poucos cliques. O facto de ter aumentado a interacção das crianças com equipamentos  não responsivos impede-as de aprender algumas competências sociais muito importantes.

As interações cara-a-cara, quer sejam numa conversa à mesa de jantar, quer seja numa pequena viagem de elevador são exponencialmente mais dificultadas quando dependemos dos equipamentos digitais para evitar a socialização.

A capacidade para ler as pistas de comunicação não-verbal e comportamentos sociais é também afetada quando a criança deixa de estar envolvida nas interações sociais e nas conversações, o que, em último caso pode levar à depressão, ansiedade e exclusão.

7 | Como compreender emoções

Embora semelhante ao relacionamento interpessoal, a inteligência emocional é uma competência diferenciada em adultos e crianças que sofre progressivamente nesta era tecnológica. Embora as redes sociais tenham quebrado barreiras de comunicação, torna-se cada vez mais difícil interiorizar emoções e desenvolver a empatia, especialmente quando os sentimentos de auto-estima estão diretamente ligados ao número de “likes”.

Ensinar as crianças a gerirem as suas emoções e stress, dar-lhes ferramentas de resolução de problemas, são algumas das componentes da dita Inteligência emocional.

8 | Como “desligar” e apreciar o exterior

Brincar ao ar livre, proporciona inúmeros benefícios psicológicos, além de  garantir um maior sucesso académico e uma melhor saúde geral. Está também relacionado com uma competência de vida que mesmo os adultos têm de aprender: desconectar na era digital.

Helena Gonçalves Rocha

Nós aqui educamos para isto.
Nós aqui temos isto!

Contactos
helenagoncalvesrocha@gmail.com
Miúdos e Graúdos, Clínica Médica
Av. Pinhal da Aroeira, Lt 562
Aroeira Shopping area Lj 18
Herdade da Aroeira
2820-566 Charneca da Caparica
TEL.: 212 977 481

1420840749_facebook-512

Fotografias: D.R.

 

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *