CartaPaiNatal

CARTA AO PAI NATAL. Da margem sul ao polo norte.

gostamos 1

Andava eu a cantar de galo que já tinha despachado o tema presentes de Natal e por isso até à data ia ter umas semana santas e eis que sou surpreendida por uma carta ao Pai Natal na árvore!

Oi? O assunto está tratado! Lembram-se de me ter lançado na Black Friday às lojas como se não houvesse amanhã para tratar deste assunto? Ah, pois é. Não venham agora com novos pedidos, ideias ou must-haves. Isto aqui tem de se trabalhar com deadlines reais. E o meu foi dia 25 de novembro. Lamento.

Esta convicção desfez-se em dois segundos quando percebi que a carta ao Pai Natal era da Victória. Assim que se apercebeu dos presentes debaixo da árvore e preocupadinha com tudo e mais alguma coisa, foi logo de tratar de assegurar os seus desejos. Antes sequer de ler fui logo tratando de explicar que o Natal não são só presentes e o importante é o tempo que estamos com quem mais gostamos, prezamos e amamos. Ela escutou, acenou de forma afirmativa e disse, mas lê a carta ao Pai Natal.

Fiquei apreensiva e meio em pânico, porque achei que logo eu que trabalho em comunicação há anos, não tinha a capacidade de explicar algo tão simples e estava a levar uma abada da febre natalícia do consumismo desmedido rodeado por todos os lados, menos por um. O nosso. O de cá de casa.

Mas li. E fiquei contente quando li.

Querido Pai Natal

Gosto de Jogos da patrulha pata e de jogos das canções da Maria e de jogos da Sónia e de jogos do Pocoyo e do Ruca e jogos da árvore de Natal e jogos do natal e jogos dos presentes do natal e amor.”

Victória Tomás

CartaPaiNatal

Carta da Victória ao Pai Natal com 6 anos acabados de fazer.

Pimba, vai buscar. Amei. Em primeiro lugar porque algum dos presentes está assegurado e o amor tem de sobra. Mas o principal foi a simplicidade dos pedidos e o remate com o que é verdadeiramente importante – o Amor.

A época natalícia aqui na margem sul está oficialmente aberta desde o mês passado, mas a ideia de partilha não se centra nos presentes. Este é o meu desejo. Esta é a mensagem que quero passar às minhas filhas, aos meus e a todas as pessoas da margem sul e arredores!

Não é um “olha para o que eu digo, não olhes para o que eu faço”. É claro que gosto de oferecer e receber presentes. Não sejamos hipócritas. Mas o amor é o que é realmente importante.

Pai Natal, não precisas de te demorar por aqui, mas gostamos sempre da tua visita.

Bom Natal para todos.

Nós aqui temos Natal com amor.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *