Orcas

SÃO ORCAS SENHORES, SÃO ORCAS…na margem sul.

MERGULHAMOS 1

Mais um episódio insólito depois dos golfinhos e dos javalis é a vez das orcas darem um pulinho aqui à margem sul. O Surf Total contou tudo e como é óbvio não podia deixar de partilhar. As fotos da família de oito orcas avistada a semana passada ao largo da Costa de Caparica, em Almada, são do Lisboa Live.

OrcasMG

Orcas avistadas ao largo da Costa da Caparica

Sejam bem-vindas.

Nós aqui temos famílias de orcas.

Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar

Fonte: Surf Total

Fotos: Lisbon Live (www.instagram.com/lisboalive/)

#MOBILITYWEEK BY FERTAGUS

#MOBILITYWEEK BY FERTAGUS. Por Catarina Laborinho

aderimos

Começou ontem a Semana Europeia da Mobilidade, a #mobilityweek, e nós aqui aderimos a isto. Com o apoio da Fertagus viemos para Lisboa de bicicleta. Uau!! foi A EXPERIÊNCIA. Sair de casa e colocar a bicla no carro é algo que faço muito raramente já que quando vamos andar já saímos a pedalar. Mas hoje era impossível ir até à estação, entre deixar crianças na escola e chegar ao comboio, só daria se a Fertagus me deixasse utilizar os seus balneários, porque ia chegar a pingar de suor 😉

Ontem e na próxima sexta-feira (dia 22) quem levar a bicicleta não paga bilhete, são os dias free da #mobilityweek para os adeptos de 2 rodas, com o apoio especial da Fertagus.

Sair de casa com a bicla no carro e chegar à estação é sempre uma experiência diferente. Por momentos até parecia que estava de férias… Aí férias, férias… já tenho tantas saudades tuas…

#MOBILITYWEEK BY FERTAGUS | A partida

#MOBILITYWEEK BY FERTAGUS | A partida

A Fertagus diariamente tem à disposição 2 carruagens para o transporte de bicicletas (uma na proa e outra na popa) mas hoje, e como a semana é especial, pudemos entrar em qualquer uma. Nós aqui entrámos na proa e numa carruagem adaptada. Estas, tanto dão para bicicletas, como carrinhos de bebé ou cadeiras de rodas. Têm uma pequena rampa e um género de “cinto de segurança” para prender os veículos. E foi assim que a minha bicla foi até Lisboa.

#MOBILITYWEEK BY FERTAGUS | A caminho do trabalho

#MOBILITYWEEK BY FERTAGUS | A caminho do trabalho

A chegada à capital foi pacífica, consegui com facilidade descer as escadas com ela “ao colo” e chegar em menos de nada ao escritório.

O regresso para casa, esse foi semelhante… é giro ver que há mais pessoas como eu a aderirem a esta iniciativa nesta semana especial, a #mobilityweek. Infelizmente não consigo ir de bicicleta mais vezes para o trabalho mas sempre que posso dou uma ajudinha ao ambiente. A partilhar chegamos mais longe e com este tipo de ações ou outras igualmente importantes e impactantes o mundo ao nosso redor torna-se muito melhor.

#MOBILITYWEEK BY FERTAGUS | O regresso

#MOBILITYWEEK BY FERTAGUS | O regresso

PS. Não se esqueça que no dia 22, com a bicicleta, tem acesso direto à casa da partida no comboio da ponte.

Obrigada Fertagus pela borlix na #mobilityweek
Nós aqui temos isto.

Texto: Catarina Laborinho
O Lisbon South Bay Blog agradece à Fertagus

FERTAGUS, LSBblog

 

Ginjal

CAIS DO GINJAL VAI SER RENOVADO

gostamos 1

Mais uma notícia sobre a nossa Lisbon South Bay que saiu no Observador e que não queremos deixar de partilhar.

O Cais do Ginjal do futuro vai ter casas, lojas, jardins e restaurantes

Um dos mais cobiçados pontos turísticos da margem sul do Tejo vai ser renovado. O decadente Cais do Ginjal terá casas, hotéis, jardins, espaços culturais, lojas e restaurantes. Mas ainda não há data.

Banhado pelo rio, na margem esquerda do Tejo, o Cais do Ginjal tem, provavelmente, a melhor vista sobre Lisboa e tornou-se um ponto de paragem obrigatória para os turistas que chegam a Cacilhas e que ignoram os avisos de perigo repetidos ao longo de um quilómetro. Mas a degradação do Ginjal está com os dias contados. Os velhos edifícios que se estendem entre o terminal fluvial e o Jardim do Rio vão dar lugar a casas, lojas, restaurantes, espaços culturais e jardins.

A proposta de Plano de Pormenor para o Cais do Ginjal vai entrar, em breve, num período de 120 dias de discussão pública e a obra avançará “assim que aprovado e publicado o Plano e concluídos os projetos de infraestruturas”, respondeu fonte oficial da Câmara Municipal de Almada ao Observador, acrescentando que não há prazo para a sua conclusão.

A ideia é aproveitar o “clima económico favorável ao investimento e que se traduz em Almada numa procura crescente por parte de investidores interessados nesta área” para reabilitar o cais ribeirinho, com cerca de 80 mil metros quadrados, e criar habitação, hotelaria, comércio, serviços, estacionamento, miradouros, apartamentos turísticos e espaços públicos, como mercados das artes e diversos equipamentos de apoio.

Nas palavras do Presidente da Câmara de Almada, Joaquim Judas, este projeto permitirá aumentar o espaço público e a segurança, manter a memória histórica daquele local e consolidar a arriba, “ao mesmo tempo que valoriza o território e o bem-estar de quem cá vive e trabalha, através da criação de mais postos de trabalho, conseguindo-se também uma maior atratividade para o concelho e para a região”.

Quanto aos dois únicos restaurantes que existem no Cais do Ginjal — o Atira-te ao Rio e o Ponto Final — não terão de fechar portas quando as obras começarem porque “na área dos dois restaurantes a intervenção a realizar, após publicação do Plano e concluídos os projetos de infraestruturas, será essencialmente nas traseiras para permitir um acesso ao Jardim do Rio e na frente para a consolidação do cais existente”, garantiu a mesma fonte da autarquia ao Observador.

GinjalemNumeros

Não é de agora que há intenção e vontade de renovar o Cais do Ginjal. Houve uma tentativa frustrada em 1990 e a atual proposta de Plano de Pormenor é de 2009, já depois de a empresa Tejal ter comprado mais de 90% da área. Não avançou até hoje por falta de condições financeiras.

O que também não é de hoje é o abandono e a degradação do Ginjal. Os relatos históricos situam o início da “queda do império” no ano de 1966. Com o aparecimento da Ponte 25 de Abril o transporte de mercadorias passou a ser feito via rodoviária, destronando a via fluvial.

Mas as causas não se ficam por aí. O Ginjal vivia não só da indústria de abastecimento de água aos navios, mas também de armazéns de vinho, azeite e vinagre. Por isso, a criação de cooperativas vinícolas, a proibição de exportação de vinho em barris, a descolonização – as colónias eram importantes mercados para o vinho, azeite e conservas – e a concorrência externa na pesca do bacalhau foram fatais para o local.

 Texto: Marlene Carriço – Observador
Foto: Observador
Musica casa da cerca

HÁ MÚSICA NA CASA DA CERCA.

Vamos a isto

A Casa da Cerca em parceria com a PontoZurca editora e produtora discográfica que gentilmente nos recebeu aquando a entrevista ao Vasco Boucinha (recorde aqui a mesma), está a promover os concertos ao Pôr do Sol, se não conhece este espaço esta é sem dúvida uma razão mais do que suficiente para o fazer, sabe sempre bem relaxar um pouco ao som de boa música. A Casa da Cerca é um centro de investigação e divulgação de arte contemporânea situada em Almada que para mim, tem uma das melhores vistas sobre a grande metrópole.

Agenda dos próximos concertos:

► Memória de Peixe
Sábado, 29 de Julho às 19:00 – 23:59

► Carmen Souza
Sábado, 26 de Agosto às 19:00 – 23:59

► Peixe
Sábado, 30 de Setembro às 19:00 – 23:59

Nós aqui temos música.
Nós aqui temos isto.

Texto: Catarina Laborinho
Fotografia e Vídeo: PontoZurca

Espaço Agrícola do Soutelo

ESPAÇO AGRÍCOLA DO SOUTELO

cuidamos

No mês passado já falámos das novas hortas Sociais do Seixal e na inauguração do Espaço Agrícola do Soutelo (reveja aqui o artigo) mas ontem, e depois de tentar saber um bocadinho mais, fui espreitar.

Liguei para a Câmara Municipal do Seixal, onde me explicaram tim-tim por tim-tim o conceito e como se procedia à candidatura. Feliz (para quem chegou à mais tempo) ou infelizmente para mim, pois o espaço já se encontra todo ocupado mas o meu nome ja consta na lista de espera, a esperança é a ultima a morrer!!

Poder ter, a um custo tão reduzido, a possibilidade de plantar os próprios legumes que comemos lá em casa é algo que me fascina, confesso. Lá por casa, na nossa micro horta, temos plantadas, alfaces, espinafres, cebolas, tomates, pimentos e até favas, bom, as favas já as comemos :)

Vantagens? Os mais pequenos adoram, adoram ver o crescimento dos legumes e acompanhar todo o processo desde o dia em que plantamos ao dia da apanha. A Madalena plantou em tempos uma batata que não parava de falar nela até ao dia que lhe chegou ao prato… mas estamos a precisar de mais espaço, os canteiros lá de casa já não estão a dar vazão às necessidades.

Vamos esperar que a nossa vaga chegue…

Espaço Agrícola do Soutelo

O Espaço Agrícola da Bairro do Soutelo (Amora), tem uma área total de 8321 m2 divididos em 44 talhões de 75 e 150 m2, mas não é o único no concelho, existe ainda Espaço Agrícola do Monte Sião (Torre da Marinha) inaugurado desde 2014 e a próxima abertura será o Espaço Agrícola do Alto do Moinho (Corroios) prevista ainda para 2017 inicio de 2018. Para quem ainda não lhe apetece andar de cócoras a apanhar ervas daninhas pode pensar até 2018 com uma nova abertura o Espaço Agrícola da Trindade na Quinta da Trindade.

Para se juntar à equipa dos pequenos agricultores, reserve já o seu espaço aqui.

Nós aqui temos hortas sociais.
Nós aqui temos isto.

Texto: Catarina Laborinho
Fotos: LSBblog

Hortasocialseixal

NOVAS HORTAS SOCIAIS NO SEIXAL. 18 de março

cuidamos

Estás sempre a pensar que se tivesses um espacinho lá em casa fazias uma horta para poderes colher o que plantas e saboreares o verdadeiramente biológico? Nunca pensaste nisso, mas pode ser uma ideia? Estás sempre a queixar-te de quereres fazer escolhas biológicas, mas isso fica muito caro?

Bom se responderes a alguma coisa que sim esta notícia é para ti. Aqui para mim, esta é das boas, mas boas. É inaugurado este sábado, dia 18 de março, às 11 horas, o Espaço Agrícola do Soutelo que disponibiliza aos munícipes áreas para o cultivo de produtos orientados pelos princípios da agricultura sustentável, criado no âmbito da Rede de Hortas Urbanas do Município.

O projeto tem uma área útil de cultivo de 4.050 m2, distribuída por 20 unidades de hortas sociais e 15 unidades de recreativas.

Este espaço agrícola do concelho vem juntar-se ao do Monte Sião, que conta com 16 hortas sociais. É muita produção de alimentos bons. Daqueles que fazem e sabem bem até à alma. Querem então saber onde fica?

O Espaço Agrícola do Soutelo está localizado na Rua das Laranjeiras, no Bairro do Soutelo, em Amora, e tem vedação, rede de distribuição de água e um edifício para arrumo de ferramentas. De que é que estás à espera para produzires a tua alimentação bio, logicamente?

Nós aqui temos hortas sociais.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar

RIVERGURARA, SESIMBRA

NÓS AQUI, FOMOS A SESIMBRA… mergulhar

gostamos

Quando os primeiros raios de sol aparecem #nosAquiGostamos de recuperar as energias que andam escondidas devido ao frio do inverno. Já o Alberto dizia numa das minhas idas à numerologia (leia aqui o artigo) que eu precisava do mar para as carregar. Verdade ou não, o facto é que faz toda a diferença e este fim de semana foi em cheio.

No sábado, a convite da Cipreia (escola de mergulho de Sesimbra) voltei à água. Há mais de 10 anos que não sabia o que era mergulhar em água fria. Nos últimos anos tenho conseguido fazer os meus mergulhos em águas quentes com temperaturas a rondar os 26°, e que bem que sabem…. mas este sábado em Sesimbra, a água estava a 12º… Brrrrr que frio, ainda assim voltar a mergulhar “entre amigos” vale sempre a pena!

Fomos visitar o cargueiro nigeriano River Gurara com os seus imponentes 175 metros de comprimento. O River naufragou depois de bater violentamente contra o Cabo Espichel na madrugada de 26 de fevereiro de 1989.  Lembro-me lindamente de ver nas notícias este acidente, nunca pensei foi que tantos anos depois ia ser um lugar de eleição nas minhas aventuras subaquáticas e um dos destinos de mergulho mais procurados de Sesimbra.

RIVER GURARA, JOÃO SÁ PINTO

RIVER GURARA | POPA | by JOÃO SÁ PINTO

Saímos do porto de Sesimbra eram 9 em ponto. Neste desporto não há margem para atrasos, como também não há com a SURF PRO SurfSchool, que já vos conto a seguir, às 8 foi a hora marcada na Cipreia com a Tiziana, a responsável pelo centro de Sesimbra. Temos 50 minutos para por a conversa em dia, arranjar equipamento, vestir e ir para o barco. Às 9 horas zarpámos para o River. A viagem proporciona-nos cerca de 30 minutos de paisagem maravilhosa e uma paz quase indiscritível, do melhor que se pode ter numa manhã de sábado, acompanhado pelo briefing que nos é dado pelo Jorge Pinto (Assistente Instrutor PADI). É nesta altura que informamos quem é o nosso buddie, e o meu foi o Luís, o divertido e bem disposto Luís.

RIVERGURARA, SESIMBRA

Finalmente chegamos ao River, o nosso mergulho iria ser na popa que fica a aproximadamente 25 metros de profundidade.

Mal caímos na água encontrámos a caldeira e o hélice, infelizmente têm vindo a degradar-se ano após ano o que é normal, mas as características destes destroços são ótimas para abrigar várias espécies pouco habituais nas águas de Sesimbra, Safios, Sargos, Santolas, Lavagantes, Polvos, etc… O River tem de tudo um pouco. A visibilidade estava razoável, confesso que os últimos mergulhos que fiz tive visibilidade de 30 metros, mas isso é muito raro termos por cá, e a temperatura, como costumo dizer, estava boa para beber, mesmo assim consegui fazer um mergulho de 38 minutos entre as admiráveis espécies marinhas que já referi, verifico o manómetro (o manómetro de pressão serve para nos informar quanto ar temos na garrafa) cheguei aos 100 bar de pressão, hora de avisar o meu companheiro de mergulho que tinha meia garrafa, aproveitei também para lhe dizer que tinha frio :) Não nascemos para sofrer portanto quando o frio já se entranha chega a hora de subir, mas tal como era de esperar diverti-me IMENSO.

RIVERGURARA, SESIMBRA

No caminho aproveitamos sempre para contar uns aos outros o que vimos lá em baixo e na chegada ao centro, tinha à minha espera o melhor pequeno-almoço que podia desejar, na verdade não passava de um bolo que o Tiago me foi levar, mas aquela hora parecia o melhor manjar dos deuses. Parei 5 minutos, ainda de fato vestido e gelada para apreciar a vista. A Cipreia fica no mesmo edifício do Clube Naval com uma vista deslumbrante sobre a Marina e a vila de Sesimbra. Estes foram sem dúvida os ingredientes principais para virar a página a mais uma experiência subaquática a repetir.

Claro que num dia em Sesimbra aproveitamos sempre para almoçar naquele restaurante de eleição, ir beber café àquela esplanada com vista para o mar, e rever a vista ao Castelo. Resumindo, chegamos eram 08:00 horas e saímos de Sesimbra com o pôr do sol. Mas valeu! e se valeu!! Sesimbra é um refúgio brutal e foi um dia em cheio.

No Domingo, o Pick Up foi ás 10, sem atrasos, na Praia do Norte com a SURF PRO SurfSchool, mas este dia vou deixar para vos contar para a próxima, até lá divirtam-se e aproveitem ao máximo, e desfrutem do melhor que a Margem Sul tem para nos oferecer :).

Nós aqui fomos mergulhar a Sesimbra.
Nós aqui temos isto.

Agradecimentos: Um agradecimento especial à Cipreia por me ter proporcionado, mais uma vez, um maravilhoso mergulho no River :) Obrigada Tiziana o seu semi-seco ajudou a ter menos frio :)  Obrigada Sá Pinto, o desenho fez toda a diferença, e mesmo longe chegou a tempo 😉 Obrigada Jorge Pinto, as fotografias ajudaram na ilustração deste artigo :) Obrigada Luís, foste um buddie à altura :) Obrigada Tiago, aquele bolo fez toda a diferença :)

Texto: Catarina Laborinho
Fotos: Jorge Pinto e LBBblog
Ilustração: João Sá Pinto

triciclossustentaveis

TRICICLOS ELÉTRICOS COLABORAM NA LIMPEZA DA MARGEM SUL

aplaudimos

A Margem Sul na vanguarda da mobilidade para facilitar esse serviço tão importante -a limpeza. Diz que já estão a funcionar os novos triciclos elétricos no Seixal e é uma medida que aplaudimos. Sim, porque estes são amigos do ambiente e vêm dar um upgrade ao trabalho manual da limpeza das ruas.

Além de ser um veículo com muito estilo permitem efetuar deslocações mais longas e ao mesmo tempo menos duras para os trabalhadores e só por aí já vale a pena. Simples, económicos, silenciosos (e aqui vejo algum perigo, porque não se dá por eles e reduz o CO2 no ar que é de todos. Tenho para mim que é o “Tesla” da limpeza e margem sul e arredores, ponham os olhos n’isto.

Um enorme bem-haja a todos os que profissionais de limpeza da nossa margem sul. Obrigada.

Nós aqui temos limpeza sustentável.
Nós aqui temos isto.

Fonte: Diário da Região / Foto Daniel Maia
Texto: Marlene Gaspar

cinemaambiental

FESTIVAL DE CINEMA EM ALMADA. 5 a 11 de fevereiro.

assistimos

O Festival de Cinema – CINEECO dedicado à temática ambiental já começou e vai durar até ao dia 11 de fevereiro e tem entrada grátis, por isso não podia ser mais sustentável.

Vê aqui o programa do que podes encontrar esta semana na Academia Almadense, em Almada.

Programacinemaambiental

Cartaz do Festival CineEco

 

Assiste a um mundo mais sustentável.

Nós aqui temos Festival de Cinema ligado ao Ambiente.

Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar

Baía do Seixal

A BAÍA DO SEIXAL ESTÁ BOA E RECOMENDA-SE.

aplaudimos

O Seixal sempre foi para mim um misto de amor-ódio. Não sou nascida e criada, resido neste concelho e vivo com um “Seixaleiro” inveterado, que vive esta localidade com um bairrismo que roça quase a adoração “clubística” pela terra. Eu não chego a ter ódio pelo Seixal, porque não tenho motivos para tal, mas também não entendo(ia) tamanho fervor em prol da zona. A Baía é linda, as casinhas simpáticas, mas fica(va) sempre aquele sentimento de tanto por fazer.

Este fim de semana fomos almoçar a um dos espaços novos do Seixal e o sol abençoou-nos com boa energia. Acho que nunca me senti tão bem na baía do Seixal. Aquele sentimento de que agora sim estão a acontecer/emergir coisas boas, mesmo boas no Seixal.

Seixal

Baía do Seixal

As infrastruturas ainda não estão todas terminadas, mas já se sente a boa aura. Que há menos coisas para fazer. Já não é só um bom espaço para caminhar ou correr. Já é um bom espaço para estar, ficar, desbundar. Para ir almoçar, para fazer passeios em família. Dizem que é o ponto de atração do concelho, eu estou como dizem nuestros hermanos: encantada. A Baía do Seixal é linda e nós ficamos ainda melhores quando passamos por ela, quando estamos nela.

Seixal1

Baía do Seixal

Obrigada Seixal. Nós aqui, gostamos disto.

Nós aqui temos a Baía do Seixal.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar
Fotografias: Rui Tomás