A SUL DA MARGEM SUL. Por Catarina Laborinho

A SUL DA MARGEM SUL. Por Catarina Laborinho

MOZ

É verdade, este ano, mais uma vez viemos até sul, mas quando digo sul, é sul mesmo, viemos até MOZ, MOZambique :)

Viemos num mix de emoções, viemos em trabalho e lazer, que não deixa de ser um dois em um que no fim acaba por saber tudo ao mesmo. FÉRIAS. Por aqui o dia começa MUITO cedo, o dia nasce antes do cantar do galo e às 8 da manhã já estão 30 graus. As crianças e alguns pais entram às 7 e a hora de ir para a cama é às 21h. Em Portugal seria algo impensável visto que o Sol começa a dar o ar da sua graça tarde. Eu pelo menos, nunca consigo sentar-me para jantar antes das 20.30 e ficam a faltar banhos e afins. Por aqui é tudo bem diferente e quem por aqui vive ou já viveu, sabe bem o que estou a dizer.

Maputo é uma cidade de emoções, de constante crescimento. Desde a última vez que estive aqui, há sensivelmente um ano e pouco, a cidade cresceu de uma forma galopante com o nascer de um shopping, às novas lojas e cafés, esta cidade está a crescer de dia para dia, mas para melhor. Os acessos à tão emblemática Ponta do Ouro já se fazem praticamente em auto-estrada (confesso que não sei se é bom) pois antes só se aventuravam os que tinham jipe e costas para isso, eram 4 horas de picada em TT. Picada PURA, aquilo era dose. O que safava a viagem era que lá se apanhavam umas girafas, uns macacos e uns elefantes a meio caminho… mas doía.. e muito.

Já para Norte a estrada é sempre a mesma, façamos 1 hora de viagem ou 12, só há uma estrada, a única que dá acesso a toda a costa. Costa = Praia Paradisíaca. Claro que fomos à Praia. Por cá demoramos no mínimo 1 hora a chegar, mas vale cada minuto de viagem!

Por aqui tudo é diferente, a cor da terra, o pôr-do-sol, a fruta, o acesso às coisas giras e diferentes… É uma cidade culturalmente forte, onde existem bastantes “marcas” nossas espalhadas por toda a cidade e onde, os portugueses que por aqui vivem, ajudam a alimentar esta cultura TUGA.

A SUL DA MARGEM SUL. Por Catarina Laborinho

As Catarina’s, Laborinho & Arnaud

E foi exatamente uma TUGA, amiga do amigo da amiga que vim encontrar, mas não é uma TUGA qualquer, é uma Tuga da Margem Sul, a Catarina Arnaud. A Catarina veio para MOZ há 5 anos quando o marido (também nascido e criado na margem sul) foi destacado para cá, desde então a vida dela deu uma valente reviravolta. No início não adorou isto, mas acabou por se render às maravilhas do que é viver aqui neste sul. Tal como a Catarina, por aqui há imensa malta da Margem Sul. Não é por acaso que quando a Diana Piedade esteve aqui em Maputo a dar um concerto, no fim quase foi “obrigada” a cantar a tão nossa “Margem Sul State of Mind”.

Sem nenhum projeto na algibeira a Catarina virou-se para os tecidos. Por aqui, a panóplia de tecidos é de deixar qualquer um de queixo caído. As tão famosas capulanas de todas as cores e feitios levam à loucura qualquer mulher… há para todos os gostos o que permite dar largas à imaginação.

A Catarina optou pelas malas, sacos, mochilas, pochetes, clutch, carteiras, etc, etc. Quando cheguei tinha um presente muito especial da minha Amiga Leila, era uma mala com o padrão de ZEBRA (adoro Zebras), e claro foi a Catarina que a desenhou, no mesmo dia disse-lhe, “quero ir ver mais!!!“ e lá fomos.  O showroom é na sua casa, onde fiquei maravilhada quer com a vista desafogada para o Índico, bem como com a oferta, cores e texturas com que a Catarina encheu os meus olhos. Os sacos são feitos de tecidos/capulanas mas o resto é de pele, os formatos variam entre tamanho e funcionalidade. A vantagem daqui é que tudo é possível, basta para isso imaginar e a Catarina faz, e foi isso que aconteceu com a minha mala. A Leila queria um modelo que utilizo com regularidade e a Catarina fez. Quick and simple.

A SUL DA MARGEM SUL. Por Catarina Laborinho

O difícil é sair de lá com poucas malas, porque é obvio que nos apetece trazer TUDO, mas para deixar a porta sempre aberta, a Catarina remata: “antes de ires embora passa cá, porque vou receber outra encomenda!” Oh Catarina, achas que podes não me enterrar mais?!?! porque nós aqui queríamos trazer TUDO, TUDO.

A SUL DA MARGEM SUL. Por Catarina Laborinho

Para quem gosta da simplicidade esta cidade é mágica, tem recantos com o seu glamour, como tem a simplicidade do caju vendido no meio da rua. É o típico 8 e 80, onde tudo faz parte de um “processo” e onde o nosso “stress” não lhes faz confusão, porque eles não são definitivamente como nós, por isso resta-nos baixar as rotações e entrar no ritmo.

Mas têm sem sombra de dúvida uma coisa bem melhor que a nossa, seja a que horas for, entremos onde quer que seja, temos um sorriso na cara. Seja o segurança que nos pergunta se descansámos bem, seja a Srª da bomba de gasolina que nos diz “Bom dia” com um sorriso de orelha a orelha pelas 5 da manha, seja o funcionário do supermercado que fica pasmado quando lhe perguntamos o que fazer com aquele fruto, mas que em menos de nada aparecem mais 3… se há coisas que temos que aprender, é sem dúvida, olhar em redor e levar daqui estes pequenos e maravilhoso momentos.

Nós aqui estamos em MOZambique
Nós aqui adoramos isto

Textos e Fotos: Catarina Laborinho
Malas e afins: Catarina Arnaud

GinjalTerrasse

AINDA SOBRE O GINJAL…FESTA DOS ANOS 90. ALINHAS? 30 de março. Por Marlene Gaspar

gostamos

Preciso de algum ânimo, porque estou furiosa com a greve da função pública amanhã que me vai transtornar a vida, mas é para isso que uma greve serve – para transtornar a vida às pessoas, certo? Desculpem se ofendi alguma suscetibilidade, mas estou sem filtro, não estou para amar, e por isso valha-me a notícia de um grande festão, para me dar algum alento, neste momento cinzento.

Posto isto, vamos ao que interessa – ao forrobodó que vai ser uma festa dedicada aos êxitos dos anos 90 no Cais do Ginjal (mais propriamente no Ginjal Terrasse), em Cacilhas, a 30 de março, sexta-feira.

São êxitos dos anos 90, ou seja, estes eu devo conseguir trautear a maior parte das músicas e apesar da festa só arrancar às 23 horas, hora que começo a bocejar, mas que aguento até vá lá para as 00:00h, ou 00:15h, mais coisa menos coisa, mas para quem é valente a cena vai durar até às 5h da manhã. O que é muito oportuno para quem vem da big city, porque o primeiro barco do dia em direção a Lisboa parte às 5h20. Sem stress de conduzir com álcool é só mesmo a cena de aguentar o enjoo, afinal “cacilhar” é isso mesmo. Mas vocês são fortes, não é malta? Afinal a entrada  entrada é livre e a malta precisa de diversão. Quem alinha?

Nós aqui temos festa dos anos 90.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar
Fonte: NiT

horta

QUERES UMA HORTA DE VARANDA? PERGUNTA-ME COMO. Por Marlene Gaspar

gostamos

Bom, na verdade eu não sou a melhor pessoa para perguntares, mas sei onde podes aprender. Já partilhei aqui o fabuloso sumo que as laranjas da horta/pomar cá de casa me brindaram e andamos aqui a injectar Vitamina C purinha, biológica e daquela que faz o estômago gritar bis e bater palminhas de contente.

hortabiologica

Se calhar as laranjas, não são o mais fácil de ter numa horta de varanda, mas para quem tem uma varanda e quer ter os seus próprios legumes biológicos, ervas aromáticas ou flores, pode aprender como pode produzir os seus próprios alimentos. Ah, pois é bebés. Yes, you can.

No Seixal vai haver uma ação de formação no âmbito do Dia Mundial da Agricultura, celebrado a 20 de março, mas esta vai ser no sábado, dia 17/3 das 10 às 12.30 e das 14 às 17.30 horas. São 6 horitas à Benfica onde podes ficar a saber como ter esta relíquia em casa – uma horta de varanda.

A boa notícia é que a formação é grátis, vai ser no Centro de Recursos do Movimento Associativo – Rua Quinta N.ª Sr.ª do Monte Sião n.º 1, Torre da Marinha, Seixal e só tens de te inscrever aqui e/ou ligar para 210 976 011 para qualquer dúvida ou esclarecimento adicional.

E então, alinhas?

Nós aqui temos hortas de varanda.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar

Ginjal

O QUE VAI SER DO NOVO CAIS DO GINJAL? Por Marlene Gaspar

 gostamos
Vai ser um espaço com uma nova cara. É desta que foi revelado o que vai acontecer no Cais do Ginjal. Das ruínas à nova construção temos planos, muitos planos que vão seguramente mudar este luar mágico.
Se o Cais do Ginjal é mágico com um ar degradado, imaginem como ficará quando estiver reabilitado. Já foi um dos principais pontos de indústria e comércio da região com armazéns de vinho, fábricas ligadas às conservas e espaços de apoio à frota pesqueira e neste momento pouco resta para contar história. Mas, ao que parece vai avançar um Plano de Pormenor que lhe vai dar uma nova cara.
Ele vão ser casas, hotéis, lojas, restaurantes, praças e um passeio marítimo à séria. Diz que a construção do projeto imobiliário arranca ainda este ano, mas vamos estar cá para ver. É desta que a South Bay vai-se tornar os Hamptons? Esperemos que se assim for, seja só a parte boa, porque há sempre prós e contras. E uma boa, é que tendo em conta as alterações climáticas e consequente subida do nível das águas, a altura do cais vai ser elevada em um metro – para maior segurança. Mudar causa sempre algumas resistências, mas eu aqui, acredito que será para melhor, porque mudar, é normalmente, bom.
Nós aqui vamos um novo Cais do Ginjal.
Nós aqui temos isto.
Texto: Marlene Gaspar
Foto: João Freitas Farinha Sapo
Fonte: NiT
helena

DIETA 4 PASSOS. Por Helena Gonçalves Rocha

Helena

4 Tempos sem ecrã = 4 Passos para melhorar
Lançamos hoje um desafio, a dieta 4 passos, 4 Tempos sem Ecrã = 4 Passos para melhorar.

Mas afinal, que ideia é esta? Ao longo dos anos e com um agravamento excessivo no último ano, as famílias recorrem ao tempo de ecrã de uma forma abusiva, trazendo esta utilização abusiva um grande impacto negativo no desenvolvimento das crianças, quer ao nível do desenvolvimento da linguagem, como também na regulação emocional e no desenvolvimento cognitivo.

Acredito que todas as famílias o fazem sem qualquer noção do enorme impacto negativo que possa causar no desenvolvimento dos seus filhos, fazem-no porque os miúdos pedem, porque muitas vezes no final do dia é tão mais fácil entretê-los deste modo, fazem-no porque muitas vezes os próprios adultos já permanecem horas infindáveis em tempo de ecrã sem terem qualquer percepção deste fenómeno.

Lanço este desafio nesta altura porque começa a ser demasiado o número de crianças que apresenta forte impacto no seu desenvolvimento em consequência desta utilização abusiva do ecrã. Lanço este desafio também porque já o fiz anteriormente com algumas dezenas de famílias cujos filhos apresentavam alterações de comportamento e dificuldades na regulação emocional e que após terem aceite este difícil desafio ( as primeiras semanas são duras), descobriram outras crianças lá em casa, capazes de se auto-regularem, colaborarem com os adultos e descobrirem novos focos de interesse.

DIETA 4 PASSOS – 4 Tempos sem ecrã = 4 Passos para melhorar!

#1 Sem ecrã logo de manhã

#2 Sem ecrã durante o horário das refeições

#3 Sem ecrã antes de dormir

#4 Sem ecrã dentro do quarto de dormir

 

#1 Sem ecrã logo de manhã

Os ecrãs (TV, telemóvel, tablete, jogos de computador) são captadores de atenção. A atenção é essencial para as aprendizagens escolares. Os ecrãs hiper-estimulam a atenção involuntária. A criança fica desperta pelos estímulos sonoros e visuais ultra-rápidos que se vão alterando no ecrã. Ao fim de 15 minutos a sua atenção esgota-se.

Uma criança que veja televisão (ou outro tipo de ecrã) logo de manhã esgota o seu sistema de atenção antes de ir para as aulas. Ora uma criança que já “esgotou” a sua atenção, é uma criança que se apresenta irrequieta, faladora, que deixa cair as suas coisas e que…já não se consegue concentrar.

Este mecanismo dificulta o desenvolvimento da sua atenção voluntária, condição essencial para o desenvolvimento das tarefas escolares.

Não resisto a partilhar uma experiência pessoal, por volta dos 3 anos, eu, como muitas outras mães, deixava o meu filho ver um bocadinho de desenhos animados enquanto eu me arranjava, posso dizer-vos que a rotina matinal não era nada fácil, pois os meus de transição eram guerras pegadas, o vestir era difícil, o pequeno almoço era difícil, a saída de casa era difícil…tudo era muito esforçado. Até ao dia que eu decidi experimentar acabar com a TV pela manhã e posso dizer-vos que o milagre aconteceu, deixamos de ter guerras e tudo passou a correr de forma muito mais fluida. Desde esse episódio que esta estratégia de, TV de manhã Não, é uma das que partilho primeiro com as famílias e amigos, porque efetivamente a testei exaustivamente.

#2  Sem ecrã durante o horário das refeições

A televisão ligada durante as refeições familiares impede que fale com os seus filhos e que eles falem consigo. Uma criança que cresce com a televisão ligada permanentemente terá um vocabulário mais pobre, uma linguagem menos rica. Nas crianças com idades entre os 15 meses e os 2 anos  a TV ligada diariamente multiplica por 3 a probabilidade de aparecimento de atrasos no desenvolvimento da linguagem.

O conteúdo ansiogénico de certos programas televisivos ( as notícias em particular) têm repercussões no comportamento e na regulação das emoções das crianças, pois muitas vezes são demasiado jovens para os entender, mesmo que o adulto lhe explique as suas emoções não se irão modificar. Todos os sabemos as imagens de guerra, violência e miséria que quotidianamente passam na televisão.

 #3  Sem ecrã antes de dormir

O sono que resulta após uma criança  estar exposta a imagens animadas, mesmo que adaptadas, caso das Baby TVs  e outras do género, será um sono de pouca qualidade uma vez que esta atividade não é calmante para o cérebro. É demasiado estimulante emocionalmente. O ecrã difunde uma luz azul (LED) que inibe a melatonina, hormona reguladora do sono, impedindo a criança de adormecer naturalmente.

Como tal, terminar com os ecrãs duas horas antes de ir para a cama.

#4  Sem ecrã dentro do quarto de dormir

A presença de ecrãs dentro do quarto de dormir diminui o tempo de sono da criança. Com a televisão, o computador, o tablete, o telemóvel, dentro do quarto de dormir, os pais deixam de ter a oportunidade de controlar o que o seu filho vê. Mesmo que verbalmente lhe dê orientações para que não aceda a determinados conteúdos, a verdade é que as crianças não têm maturidade suficiente para não o fazerem.

Sem ecrãs no quarto, a criança aprende a desenvolver competências essenciais: atividades sensório-motoras, jogos de regras, leitura, jogo simbólico, grafismos, todas estas atividades são necessárias e essenciais para o desenvolvimento do pensamento, da atenção e da socialização.

Por outro lado, o facto de terem estes factores distrateis junto a si durante toda a noite é altamente perturbador, e impede-os de conquistarem uma noite de sono com qualidade. São imensos os relatos de pais que a meio da noite vêem uma luz que irradia do quarto dos filhos, e verificam que os filhos permanecem em comunicação durante toda a noite. Ou mesmo quando ainda pequenos, acordam a meio da noite e sem capacidade de se auto-regularem para voltarem a adormecer, optam por acender a televisão?

Retire os ecrãs dos quartos de dormir, deixe os telemóveis a carregar fora dos quartos, institua regras, a qualidade de sono de todos os elementos da família irá agradecer.

Perante estes 4 passos aceita o desafio?
Por onde irá começar?
Qual será o passo mais fácil?

Garanto-lhe que vai valer muito a pena, também lhe garanto que não vai ser nada fácil!
Se precisar de ajuda, estamos por cá para ajudar, partilhe connosco!

Nós aqui educamos para isto.
Nós aqui temos isto!

Contactos
helenagoncalvesrocha@gmail.com
Miúdos e Graúdos, Clínica Médica
Av. Pinhal da Aroeira, Lt 562
Aroeira Shopping area Lj 18
Herdade da Aroeira
2820-566 Charneca da Caparica
TEL.: 212 977 481

1420840749_facebook-512

thumbs.web.sapo.io

VAMOS À MEIA MARATONA COM A FERTAGUS. Por Catarina Laborinho

Vamos a isto

…ou vamos tentar 😀

Na realidade não vamos à Meia Maratona de Lisboa de comboio, isso vai ser o que vou dizer quando chegar ao fim e disser: “mas porque não vim de Fertagus?!?!”. Uma coisa é certa, vou lá chegar de comboio e você devia fazer o mesmo.

Estes dias de grande afluência são sempre mais complicados, mas a Fertagus, à semelhança dos anos anteriores, vai oferecer a viagem a todos os atleta que sejam portadores do dorsal oficial da prova e vai ter um horário especial para a deslocação “da malta”.

 

maratona fertagus

Para quem chega à estação do Pragal da Fertagus pela Margem Sul ou por Lisboa é preciso que tenha em consideração os #10 fatores abaixo:
#1 A estação é a do Pragal. Se vier de Lisboa é a 1ª depois da Ponte. Se vier deste lado, é aquela onde certamente irão sair MUTOS atletas :D;
#2 Apanhe o comboio o mais cedo possível (não seja o comum Tuga que chega à hora da partida);
#3 Respeite as sinalizações de segurança, não ultrapasse a linha amarela e tenha cuidado com a distância entre a plataforma e o comboio;
#4 As portas não se abrem sozinhas. Tem que tocar no botão da porta quando este ficar verde;
#5 Não entre em nenhum comboio que não seja da Fertagus (passam outros na mesma linha mas estes não são à borlix);
#6 A organização da Meia Maratona de Lisboa não permite animais ou bicicletas durante a prova, e a Fertagus também não;
#7 À chegada ao Pragal, siga o trajeto previamente assinalado em direção à prova;
#8 Se quiser ir à casa de banho, para além das existentes na estação, a Fertagus vai ter à disposição WC’s portáteis no exterior a caminho do ponto de partida;
#9 Ah, e mais importante ainda, lembre-se que de barriga vazia não vai longe. A estação do Pragal tem vários pontos de restauração e não só, que o(a) podem auxiliar num dia diferente como este;
#10 Nós aqui vamos querer a medalha :)

Se é cliente assíduo do comboio da ponte e no próximo domingo vai passear ou trabalhar à outra margem do Rio, tenha paciência com os atletas, é só uma vez por ano e a maior confusão vai ser entre as 8:00 e as 10:00H.

Nós aqui prometemos que vamos tentar chegar ao fim 😉
Nós aqui temos a Fertagus a apoiar a Meia Maratona de Lisboa

Texto: Catarina Laborinho
Fotos: D.R

FERTAGUS, LSBblog

 

BungeeJumping

CENA PARA FAZER NA MARGEM SUL PARA QUEM OS TEM NO SÍTIO. 10 março. Por Marlene Gaspar

gostamos 1

Gostas de te armar aos cágados e tens uma grande taxa de bazófia ou és daquele que o medo a ti é uma cena que não te assiste? Eu, por muito que me custe não pertenço a este último grupo, e a aventura para mim tem demasiados limites. Sou um bocadinho mariquinhas com cenas dadas ao radical, mas lá por eu ter miaufa, não significa que vocês aí desse lado sejam deste calibre.

Para os corajosos, que gostam de curtir grandes emoções e sentir a adrenalina a subir-vos pela espinha, tenho a sugestão perfeita para um programa na margem sul – uma sessão de Bungee jumping. É isso mesmo, mandares-te de cabeça a partir do Elevador Panorâmico Boca do Vento, em Almada, com uma vista do caraças para o Cristo Rei, a Ponte 25 de Abril e Lisboa.

O dia para te atirares é o 10 março, entre as 10 e as 17 horas. Custam 50€ por pessoa. Deves inscrever-te através do email luispinto.extremos@gmail.com e podes saber mais aqui. Ah, esta cena do medo não era para intimidar. Isto é tudo muito seguro, eu é que sou assim, pr’ó dramático. Tu saltas bem, sem medos.

Nós aqui temos Bungee jumping.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar

PaddleSeixal

PROGRAMA ONDE MENINO NÃO ENTRA. 24 de março

gostamos 1

Estamos aí à beira de mais uma efeméride e neste caso, um dia dedicado a todas nós. Mulheres. Embora com muito orgulho e gosto pela minha condição feminina, não dou grande importância à data, e não estava a fazer intenção sequer de a celebrar de forma especial. Até que vi o convite da SUP Seixal Ans e todo o caso muda de figura.

Não, não é um programa de SPA, unhas, cabelo ou roupa. Nada que uma coisa destas seja de deitar fora, pelo contrário, mas isso faz parte. Isso não é especial. Estou a falar da experiência de fazer um batismo de Stand Up Paddle. Ou seja, remar em pé!

StandUpPaddle

Não sei se ria, se chore com o meu atrevimento. Remar, ainda é como o outro (ainda que não aguente braçadas por aí além), agora “de pé”? Re-mar-de-pé? Ah, ah, ah, ah, ah, ah, ah ah, ah! Parem. Parem. Ah, ah, ah, ah, ah…

Ah…Eu aventuro-me, mas deve ser um episódio deprimente. Mas, não vou negar uma ciência que desconheço e depois do convite da Rossana, a responsável pelo projeto, achei quer era de Homem, neste caso de Mulher, aceitar de peito feito o desafio e como, até sei nadar, o estrago não pode ser assim tão grande. Espero! A Rossana não me vai deixar ficar mal.

Nem a mim, nem a ti. A Rossana não me convidou só a mim! A SUP Seixal convida todas as mulheres “Guardiãs”, como ela própria designa o género, a participar no dia 18 de Março no evento de celebração do dia das Mulheres “na Prainha do “Ti João” nessa bela localidade que é o Seixal.

MulheresSeixal

Neste dia podes participar no “ batismo” de “Stand up Paddle” – Remar em pé + Participar numa oficina de “Hula” (dança Havaiana) e diz a Rossana que podemos fluir até libertar todas as tensões! Eu tenho para mim que vou criar novas tensões pela minha falta de jeito, mas vou-me entregar nas mãos de quem sabe, porque além de cética, também sou crente, e nada como ser surpreendida e enfiar a viola no saco e perceber que todos os meus receios não têm razão de ser! Gosto tanto disso.

No final das atividades, será servido um lanche no Salão Nobre da Associação Náutica do Seixal. E comida, minhas queridas, é música para os meus ouvidos. Para mulheres que tenham filhotas entre os 6 – 10 anos podem levá-las!

Por isso, miúda, mulher, mãe e ser maravilhosa, inscreve-te e reserva o teu lugar até ao dia 22 de março em suppaddle.ans@gmail.com. Entra nisto, de pé!

Nós aqui temos Stand Up Paddle.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar em parceria com Rossana Pacáua
Fotos: Rossana Pacáua

Screen Shot 2018-02-26 at 15.43.56

MARÇO JOVEM, É A TUA CENA. Por Catarina Laborinho

aplaudimos

O mês de Março está à porta e com ele vai chegar mais uma vez o MARÇO JOVEM 2018 promovido pela Câmara Municipal do Seixal.

E perguntam vocês, e isso é?

Pois é, vai ser um mês sem parar com atividades para os mais jovens que virá animar as escolas secundárias do concelho, bem como alguns espaços públicos com concertos, danças, desportos náuticos e radicais, stand-up comedy, workshops e muito, muito mais.

A primeira escola a abrir este mês vai ser a Escola Secundária Dr. José Afonso, mais conhecida por “Cavaquinhas” (pelo menos no meu tempo) já na próxima segunda-feira dia 5 de Março, depois o meu querido Fogueteiro (saudades desses tempos… isto não volta mesmo para trás?!?!), no dia 6… e assim sucessivamente. Todos os dias uma atividade numa escola perto de nós.

Para conhecer o programa completo clique aqui.

imagem_900x506

Se num destes dias, a meio do dia, ligar ao seu filho(a) e achar que está numa festa, é verdade, mas a festa é mesmo na escola 😉 Toca aproveitar este mês que vai chegar carregado de coisas girase ajudar a carregar energia a meio do ano letivo.

Nós aqui temos o Março à porta
Nós aqui temos isto

Texto: Catarina Laborinho
Fonte e Foto: Câmara Municipal do Seixal.

Were-hiring

BUSINESS DEVELOPMENT MANAGER, PRECISA-SE PARA ALMADA. Por Catarina Laborinho

precisamos para 1

 

A JOB OR A AGILE EXPERIENCE FOR LIFE?
MAYBE HERE!A Scopphu está a crescer e precisa de um reforço de capital humano para a equipa de Talent & Training, para os quais têm grandes desafios! Nós aqui precisamos de um BUSINESS DEVELOPMENT MANAGER.

Se te enquadras neste perfil não percas tempo.

O QUE PRECISAS DE TER
• Formação superior (preferencial, mas não eliminatório);
• Experiência profissional igual ou superior a 3 anos na área de vendas e desenvolvimento de negócio;
• Excelentes competências de relacionamento interpessoal e comunicação;
• Proatividade, vontade de exceder expectativas, as próprias e as definidas pela Scopphu. Atitude!;
• Experiência na utilização de software de gestão, MS Office na optica do utilizador;
• Bons conhecimentos em Inglês.

O QUE ESPERAM DE TI
• Grande capacidade de te relacionares com pessoas (e não apenas com numeros), espírito de equipa e boa disposição;
• Participes na definição da estratégia comercial;
• Evangelizes clientes com novas soluções de Formação e Recrutamento;
• Participes nos processos de recrutamento da equipa de consultores;
• Realizes reuniões de acompanhamento de colaboradores e clientes;
• Elabores propostas comerciais ajustadas às necessidades;
• Potencies novas soluções de formação e consultoria de RH orientadas às TI’s.
• Autonomia, pro-actividade e foco;
• Rigor no que fazes e capacidade de priorizar;

O QUE TE VAI ANIMAR
• Fazer parte de uma equipa exclusiva, ágil e baseada nos relacionamentos e na simplicidade;
• Aceder a uma gestão de carreira directamente proporcional ao teu desempenho e interesse;
• Plano de formação customizado;
• Possibilidade real de integrar os quadros da nossa empresa;
• Se resides na margem sul, também estamos deste lado, evitarás filas de transito;
• Excelente ambiente de trabalho.

Are you the Agile one?

Para agilizar envia o CV por aqui 

Rua dos Inventores
2825-182 Caparica, Setubal, Portugal
Nós aqui precisamos de Business Development Manager
Nós aqui temos um emprego para ti.
Texto: Catarina Laborinho & Scopphu
Fotografia: D.R.