MMA

MEIA MARATONA DE ALMADA. 1 de julho.

corremos

Run, Forrest, run! A Meia Maratona de Almada está de volta para mais uma edição e há distâncias para (quase) todos os gostos.

Dá para caminhar 6,5 km para os que gostam de andar e aproveitar uma boa converseta ou apenas andar sem dar trela a ninguém, porque a única exigência é dar à perna e chegar ao final.

Se o corpinho aguentar mais do que isto e quiser correr, a prova contempla a corrida de 10 km, que já dá para sentir os músculos e treinar afincadamente.

Mas se até aqui isto for para meninos, há a meia maratona onde faz-se mais de 20 km a puxar pelo cabedal. Cada um escolhe a que pode, ou a que consegue ou a que apetece. O importante é participar.

Se estão preocupados com a hora do calor a correr com bafos de fora e isso fizer desistir-vos da ideia, não vai ser assim tão fácil. É que a prova é à noite, por isso, é só inscreverem-se e treinarem. Vai dar tempo.

MeiaMaratona

A prova é sábado, 1 de junho às 19h. Mas fica-se despachado nessa noite (até às 23:30h) e a partida é na Av. Arsenal do Alfeite nº 10, 2810-262 Almada – Parque da Paz. As inscrições são aqui.

Nós aqui temos meia maratona.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar

Milha

25ª MILHA URBANA BAÍA DO SEIXAL É A 28 DE MAIO

corremos

A Milha Urbana Baía do Seixal é já este domingo, mais propriamente no dia 28 de maio, e segundo consta é uma das provas de atletismo mais emblemáticas do concelho do Seixal. Tanto é que já vai celebrar a 25ª edição.

Organizada pela Câmara Municipal do Seixal e a Casa do Benfica do Seixal (bem me parecia que tinha de ter um dedinho dos tetra! ok, parei, já parei!) e com a colaboração da Associação de Atletismo de Setúbal e a União das Freguesias do Seixal, Arrentela e Aldeia de Paio Pires.

A milha decorre em circuito fechado numa extensão de 1609 metros, às 9.30 horas. A partida e chegada são na frente ribeirinha de Arrentela, junto à Quinta da Fidalga.

A prova decorre em simultâneo com o Agita Seixal, onde podem encontrar muitas outras atividades.

Podem inscrever-se atletas a título individual ou em representação de clubes, escolas e outras associações, federados ou não. As inscrições são gratuitas e devem ser enviadas até 26 de maio de 2017 para o Complexo Municipal de Atletismo Carla Sacramento (210 976 120; joaquim.maia@cm-seixal.pt) ou para a Casa do Benfica do Seixal (atletismocasabenficaseixal@gmail.com). A prova integra o 30.º Troféu de Atletismo do Seixal.

Informações:
Regulamento da XXV Milha Urbana Baía do Seixal [pdf 28kb]

Nós aqui temos a milha.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar

Fonte e foto: CMS

BenficaMargemSul

FAIR-PLAY NA MARGEM SUL.

aplaudimos

Numa altura em que o nosso futebol atravessa dias negros fora de campo, fortemente impulsionadas por quem tem responsabilidade de fazer precisamente o contrário como os dirigentes, a comunicação social, etc, tudo o que divulgue mensagens de fair-play merece a nossa salva de palmas.

Este anúncio não é só uma lufada de ar fresco e um golpe de marketing (dos bem feitos, por sinal), é uma mensagem de esperança e de partilha. Não interessa a tua cor. Clubística ou de pele. E como o palco desta mensagem é aqui, na margem sul, não podia deixar de o partilhar.

Já aqui assumi várias vezes que sou Benfiquista (e não um candeeiro!), mas para os mais distraídos assumo a minha preferência. Mas o engraçado é que este anúncio chegou-me por um adepto de outro clube. Algum efeito positivo já começou a acontecer.

Um bem-haja a quem teve a ideia.

Nós aqui temos fair-play.
Nós aqui temos isto.

Vídeo: SLB
Texto: Marlene Gaspar

Familia

QUER O SEU FILHO FELIZ? DÊ-LHE MAIS EXPERIÊNCIAS E MENOS COISAS. Por Helena Gonçalves Rocha

Helena

Esta semana deparei-me com um artigo que enumerava todas as vantagens de “viver” em vez de “ter”. Uma equipa de investigadores da Universidade de Toronto debruçou-se sobre esta temática e concluiu que, também as crianças são mais felizes com as experiências que vivenciam do que com a última novidade dos brinquedos.

Os resultados das  investigações são claros  se você quer ser Feliz, deverá gastar mais dinheiro em experiências e não em coisas.
Cindy Chan, professora auxiliar na Universidade de  Toronto e principal responsável por esta investigação, concluiu que as “expeirências –presente” tem uma maior probabilidade de construir memórias de longa duração para os miúdos devido às conexões emocionais  que são ativadas quando fazemos alguma atividade em vez de possuirmos alguma coisa. “ Uma “experiência- presente ativa uma resposta emocional forte a quem a recebe – como o medo numa descida de rappel, a excitação de um concerto de música ao vivo ou a calma desencadeada por uma experiência num spa – e é bem mais intenso emocionalmente do que a possessão material “ – afirma Chan.

E porque serão tão importantes estas memórias de infância? Elas ajudam a construir alicerces emocionais fortes aos quais as crianças podem recorrer ao longo da sua vida sempre  que se sentem tristes , stressados, ansiosos ou preocupados. Segundo a psicoterapeuta infantil Dr. Margot Sunderland, as memórias positivas ajudam as crianças a regular o stress, aumentam o tempo de atenção, estimulam a concentração e desenvolvem de forma global a saúde física e mental. As memórias felizes servem como “âncoras”que dão conforto aos miúdos quando as suas vidas atravessam uma fase menos boa.
Não só as experiências ajudam as crianças a construir uma base sólida de memórias felizes, mas também ajudam a promover o desenvolvimento do cérebro. “Um ambiente enriquecido oferece novas experiências que são fortes na interação social, física, cognitiva e sensorial combinada”, disse Sunderland. Cada vez que você faz algo que está fora das suas atividades habituais, você dá aos seus filhos a hipótese de ver, cheirar, ouvir e tocar coisas diferentes que irão adicionar às suas experiências globais e desta forma ajudar a enriquecer os seus cérebros.

Screen Shot 2017-04-28 at 15.24.32

Não será por acaso que as grandes personalidades quando são entrevistadas sobre a sua infância partilham memórias de experiências vividas e não de tudo aquilo que possuíram.
E será que importa para onde se vai?
A investigação deixa-nos uma  questão: será que o tipo ou tamanho da experiência importa?

Será que uma saída em família à gelataria local constrói uma memória tão forte como umas férias em família na Eurodisney?
Você ficará feliz em saber que isso não importa. Na verdade, as crianças são mais propensas a ter uma memória forte e reconfortante de uma saída especial para comer um gelado em que a sua família estava animada e envolvida  do que de uma viagem emocionante, mas estressante para o “lugar mais feliz na Terra”.

A minha amiga Maria teve essa mesma experiência na primeira pessoa quando levou as duas filhas à Eurodisney e a única coisa que elas queriam fazer era aproveitar e nadar na piscina do Hotel. Eu própria – já com filhos adolescentes – sei que eles muitas vezes falam dos passeios de Verão em que nos molhávamos nos aspersores de relva dos jardins de Belém  como uma das suas memórias inesquecíveis.
Na verdade, eu acredito que o segredo  está na forma como os pais encaram estas aventuras, e que quanto mais relaxados estivermos melhor correrá, com toda a certeza. Viagens sem agenda e sem stress são aquelas que os miúdos mais se divertem.
Na verdade, quando eles crescem as “coisas” acabam por se deitar fora, já as memórias, essas, ficam connosco para sempre.
Como tal, aproveite e lembre-se, invista o seu dinheiro em experiências memoráveis com quem mais gosta. Vai ver que vai valer a pena!

Helena Gonçalves Rocha

Nós aqui educamos para isto.
Nós aqui temos isto!

Contactos
helenagoncalvesrocha@gmail.com
Miúdos e Graúdos, Clínica Médica
Av. Pinhal da Aroeira, Lt 562
Aroeira Shopping area Lj 18
Herdade da Aroeira
2820-566 Charneca da Caparica
TEL.: 212 977 481

1420840749_facebook-512

 

FontedaTelha2

UM FENÓMENO CHAMADO FONTE DA TELHA. #2

gostamos 1

O fim-de-semana passado lançou-se com temperaturas dignas de verão e para quem gosta do verão, nada como se lançar à pista e aproveitar o que ele tem de melhor. E para mim o melhor é sem dúvida a praia. A praia é a minha praia e há que aproveitá-la como se não houvesse amanhã. Sim, porque não sabemos como é o amanhã e tão depressa o sol está, como não. Já que não podemos controlar este estado temperamental do tempo, vamos desfrutar dele enquanto ele está bom.

Dizem as boas regras de SEO que devemos fazer backlinks que trocado por miúdos é remetermos para outros posts que já tenhamos feito referentes a temáticas semelhantes e assim, sem fazer contas, atrevo-me a dizer que os que escrevi sobre a praia devem ser tipo o Ronaldo, estão aqui para bater recordes. Ora espreitem este, este, este, este, este, este, este e mais este. E, não estão cá todos, que também não vos quero desgastar. Assim, como assim, o SEO deve estar muito contente comigo. Mas voltemos à praia que é sempre um bom motivo para se falar, ou escrever, ou pensar, ou melhor ainda – desfrutar.

E foi isso que fiz. Escolhi mais uma vez a Fonte da Telha. Muito já se disse sobre a Fonte da Telha, muito há ainda por dizer. Aventurei-me e apanhei o shuttle aqui em casa e segui sozinha, que é como quem diz, subi na bicicleta e pedalei até lá. Não foi bem, bem até lá. Mas foi muito perto. Deixei a bike cá em cima junto à GNR a ver as vistas, mas bem acompanhada. Sim, porque para baixo todos os santos ajudam, mas para cima não os encontramos.

FonteTelha

O Shuttle e eu

Tinha curiosidade e desci as escadinhas que nos levam até à praia. Não me cruzei com ninguém neste “treino que batizei de step”, para soar mais chique que subir e descer degraus com bafos de fora. Não sei se foram os 210 degraus, mais coisa menos coisa, mas não vi viv’alma até chegar à vila. Nunca tinha entrado na praia pela zona de moradores de pescadores e encontrei verdadeiros fenómenos, do já fenómeno que é esta praia.

Encontrei o Ronaldo a chorar (devia estar a pensar nas estátuas), não podia ser pelo dia de ontem! Pois ontem foi dia de celebração, celebração de mais um record inegualável! Já estou a imaginá-lo a dizer – dêem-me ruas, aeroportos, recordes, bolas de ouro, miúdas giras e campeonatos, mas não me ergam estátuas, senhores. Não façam mais isso que eu já não quero brincar às estátuas!). Mas o Cristiano não é o único herói da praia. Não senhor. Temos também o Batman. Sim, também entre a Gotham City e a Fonte da Telha, é fácil perceber a escolha. Ele sabe que aqui é que é bom. Deixa lá a cidade das Trevas que a margem sul é que é. A Rainha dos Mares também lá estava e percebi que aqui os barcos se “atracam à porta”. Uma manhã ou tarde na Fonte da Telha, torna-se uma verdadeira descoberta destas novidades, que aos anos que vou aquela praia e nunca me tinha apercebido dos que vos trago aqui hoje. Quem é que revela coisas boas, quem é?

– Je suis! Modéstia à parte.

FontedaTelha

Fenómenos da Fonte da Telha

Não fui à procura destes achados, mas foi bom encontrá-los. É a magia da praia, que para além da boa energia que a praia nos dá, como já aqui contou a nossa Rita Deus (e pimba, mais um backlink a contar para o SEO), dá-nos um penteado todo esfrangalhado e uma corzinha que respira saúde. Ainda não estamos no ponto, mas havemos de chegar. E com este sol, mais depressa do que previ.

Posto isto, nada como vos convidar para virem à praia, mas não precisam de vir todos ao mesmo tempo, porque se para evitar filas tenho de vir de bicicleta, vou ficar toda partida, porque meus amigos, foi bom, mas foi a doer (ainda está, um bocadinho). Fiz dois dias seguidos o percurso de bicla e no último dia, tive que chamar o “carro vassoura”, para me levar a mim e ao Shuttle até casa!

Obrigada Fonte da Telha. É um prazer conhecer-te e, como já percebeste, não demoro a voltar. E não sou a única.

Nós aqui temos a Fonte da Telha.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar
Fotografias: Lisbon South Bay blog

feriaspascoa

36 CENTROS DE FÉRIAS NO SEIXAL

corremos

Pois é, as férias da Páscoa começam amanhã, mas férias são só para as crianças! Sim, porque por aqui vai-se continuar a bulir e estamos em ânsias para saber como ocupar a criançada, aqui na margem sul. Para resolver esta questão encontrámos várias sugestões onde podem passar o dia felizes e contentes. Nós aqui, queremos sopas e descanso, pelo menos com esse tema. Sim, porque de resto não se descansa muito. Valha-nos o folar e as amêndoas (de chocolate, da parte que me toca) nestes dias e as pequenas num lugar onde gostem de estar e variar.

Aqui no Seixal as Férias Desportivas da Páscoa decorrem de 5 a 18 de abril para animar o período de descanso letivo com atividades lúdicas e desportivas que permitem a prática de exercício físico e o convívio entre crianças e jovens.

Estarão em atividade 36 centros de férias, trinta e seis, ouviram bem. Estes centros são promovidos pelo movimento associativo do concelho, associações de pais e outras entidades, que a Câmara Municipal do Seixal apoia com a cedência de equipamentos municipais, material logístico e técnicos especializados. Nós aqui, mostramos os Centros das Férias Desportivas da Páscoa. Sim, porque a Páscoa são 3 dias, mas as férias escolares são pelo menos 2 semanas! E já agora, no dia 12 de abril, tem lugar um convívio de orientação, no Parque do Serrado, em Amora, ao longo de todo o dia, aberto a todos os centros de férias.

Só nos resta desejar-vos uma Páscoa Feliz.

Nós aqui temos Férias Desportivas da Páscoa.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar

MiguelOliveira

MIGUEL OLIVEIRA COM MELHOR RESULTADO DE SEMPRE E NÓS AQUI COM O PIOR!

parabenizamos ISTO desporto 1

Palavras para quê? É um artista português. É um atleta almadense. Já  aquiaqui, aquiaqui e aqui falámos dos (grandes) feitos do Miguel Oliveira e este fim-de-semana ele deu-nos mais um motivo. Obsessão? É lá agora isso. O miúdo fez o melhor resultado de sempre em Moto2. Há que enaltecer o feito. Ora e se estão a pensar que sou uma maluquinha das motos, não, não sou. Com muita pena minha, mas não. Não foi por falta de tentativa, mas o jeito, ou neste caso, a falta dele, e o medo apoderaram-se de mim.

Quando era pequena o meu pai tinha mota e lembro-me de andar à pendura com ele amarrada a ele com aqueles elásticos que apertavam as bagagens que iam sobre o carro, onde cheguei a dormir grandes sestas! Verdade. Dessa miúda destemida, à paixão e exigência em ter a carta de mota foi um passo conquistado. Consegui que o meu pai me oferecesse a carta de mota, mas ao assistir ao exame, deve ter sido a primeira vez que desejou que eu chumbasse a alguma coisa. Ainda hoje se escangalha a rir quando relata esse momento. Mas pai é pai e eu perdoo. Não chumbei, mas ainda em fase de azelhice, da qual na verdade nunca saí, caí de moto e esta ficou-me em cima da perna. Nunca mais consegui andar descontraída de mota. Nem à pendura, nem no guiador. E se eu queria. Ah, se queria. Por isso dou por mim a entusiasmar-me com estes sucessos.

MiguelOliveiraKTM

Miguel Oliveira, o herói.

O Miguel Oliveira já é um herói. Terminou o Grande Prémio do Catar na quarta posição a 3.584 segundos do vencedor, o italiano Franco Morbidelli. 3.584 segundos não é particamente nada e só aqueles senhores minuciosos com os segundos e neonésimos de segundos é que se preocupam com essas coisas, pois uma diferença dessas é de ficar também com o primeiro lugar. Ou não é?

Bom, fica para história  o melhor resultado de sempre do português em Moto2 e a esperança deste ser superado esta época. Embora lá, mostra que a margem sul é terra de desportistas e isso também já contamos aqui. A mim, restam-me as corridas, a pé. São mais seguras. Pelo menos para mim.

Nós aqui temos melhor resultados de sempre em Moto2.

Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar
Foto: andardemoto.pt

Maratona

CORRER, AMAR E ORAR.

gostamos 1

É com algum esforço que escrevo, como dá para perceber pelo adiantar da hora, mas alguém tem de o fazer! É que a participação na maratona (não interessa se foi mini ou meia, o importante foi participar) deixou-me de rastos!

Minimaratonaponte

Ajuntamento

CORRER

Não sei se recordam o ano passado quando escrevi aqui ainda sonhei em participar na meia maratona, mas tendo em conta a falta de ida aos treinos, uma tosse alérgica que parece que sou uma fumadora compulsiva, a falta de força de vontade e a falta de vontade de fazer força, ter chegado ao fim dos 7,200 quilómetros a correr sem parar posso-me me dar por muuuiiito satisfeita. Derreada, mas feliz.

Sem grandes expectativas, ser participante de segunda viagem, neste caso deixou-me sem pressão. Quando deixar de conseguir correr, passo a andar, pensei. Felizmente não foi preciso. Como contei aqui, o meu companheiro de viagem foi o meu pai, e nada melhor do que passar o dia dele a partilharmos um gosto comum. Temos a coisa bem oleada e combinámos só encontrar-nos no fim. Sim, porque se há coisa que não compreendo é como é que se consegue correr em amena cavaqueira. Eu para correr, respirar, enganar a dor de burro, apreciar a paisagem, voltar a respirar e pensar na meta sabe Deus, quanto mais ir ali na converseta. Uma salva de palmas para os que conseguem, mas isso não é para mim.

AMAR

O meu ritmo é lento, muito lento, mas é aquele que eu controlo. Os 3 kms no tabuleiro da ponte foram de puro prazer. Controlada, focada, deu para apreciar aquele trajeto a pé. Tão bom.

ORAR

A partir daí foi sempre a descer e a descambar. O último quilómetro foi penoso. A falta de treino começou a manifestar-se, o calor a deitar abaixo e foi pedir a todos os santinhos para me aguentar sem parar. Eles ouviram.

Maratona

Não há dúvida que esta prova me dá imenso prazer. Poder atravessar a ponte 25 de abril a pé é libertador. Neste caso, o congestionamento do trânsito pedestre assusta, mas chegar ao outro lado pelos nossos próprios meios, é recompensador.

Resumindo e concluindo no pain, no gain. Fiquei com algumas dores que me vão acompanhar nos próximos dias, mas também me vão lembrando do prazer que foi conseguir vencer esta etapa. E nada melhor do que ser recebida pelo melhor pai do mundo à chegada e ir ter com o melhor pai do mundo de seguida.

MelhorPai

O melhor pai do mundo e o melhor pai do mundo.

Para terminar depois de um almocinho na praia, tive direito ao primeiro mergulho do ano no mar da Costa da Caparica. What a day.

Nós aqui temos corrida da ponte.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar
Fotografia: “Voluntários à força” e Rui Tomás

RIVERGURARA, SESIMBRA

NÓS AQUI, FOMOS A SESIMBRA… mergulhar

gostamos

Quando os primeiros raios de sol aparecem #nosAquiGostamos de recuperar as energias que andam escondidas devido ao frio do inverno. Já o Alberto dizia numa das minhas idas à numerologia (leia aqui o artigo) que eu precisava do mar para as carregar. Verdade ou não, o facto é que faz toda a diferença e este fim de semana foi em cheio.

No sábado, a convite da Cipreia (escola de mergulho de Sesimbra) voltei à água. Há mais de 10 anos que não sabia o que era mergulhar em água fria. Nos últimos anos tenho conseguido fazer os meus mergulhos em águas quentes com temperaturas a rondar os 26°, e que bem que sabem…. mas este sábado em Sesimbra, a água estava a 12º… Brrrrr que frio, ainda assim voltar a mergulhar “entre amigos” vale sempre a pena!

Fomos visitar o cargueiro nigeriano River Gurara com os seus imponentes 175 metros de comprimento. O River naufragou depois de bater violentamente contra o Cabo Espichel na madrugada de 26 de fevereiro de 1989.  Lembro-me lindamente de ver nas notícias este acidente, nunca pensei foi que tantos anos depois ia ser um lugar de eleição nas minhas aventuras subaquáticas e um dos destinos de mergulho mais procurados de Sesimbra.

RIVER GURARA, JOÃO SÁ PINTO

RIVER GURARA | POPA | by JOÃO SÁ PINTO

Saímos do porto de Sesimbra eram 9 em ponto. Neste desporto não há margem para atrasos, como também não há com a SURF PRO SurfSchool, que já vos conto a seguir, às 8 foi a hora marcada na Cipreia com a Tiziana, a responsável pelo centro de Sesimbra. Temos 50 minutos para por a conversa em dia, arranjar equipamento, vestir e ir para o barco. Às 9 horas zarpámos para o River. A viagem proporciona-nos cerca de 30 minutos de paisagem maravilhosa e uma paz quase indiscritível, do melhor que se pode ter numa manhã de sábado, acompanhado pelo briefing que nos é dado pelo Jorge Pinto (Assistente Instrutor PADI). É nesta altura que informamos quem é o nosso buddie, e o meu foi o Luís, o divertido e bem disposto Luís.

RIVERGURARA, SESIMBRA

Finalmente chegamos ao River, o nosso mergulho iria ser na popa que fica a aproximadamente 25 metros de profundidade.

Mal caímos na água encontrámos a caldeira e o hélice, infelizmente têm vindo a degradar-se ano após ano o que é normal, mas as características destes destroços são ótimas para abrigar várias espécies pouco habituais nas águas de Sesimbra, Safios, Sargos, Santolas, Lavagantes, Polvos, etc… O River tem de tudo um pouco. A visibilidade estava razoável, confesso que os últimos mergulhos que fiz tive visibilidade de 30 metros, mas isso é muito raro termos por cá, e a temperatura, como costumo dizer, estava boa para beber, mesmo assim consegui fazer um mergulho de 38 minutos entre as admiráveis espécies marinhas que já referi, verifico o manómetro (o manómetro de pressão serve para nos informar quanto ar temos na garrafa) cheguei aos 100 bar de pressão, hora de avisar o meu companheiro de mergulho que tinha meia garrafa, aproveitei também para lhe dizer que tinha frio :) Não nascemos para sofrer portanto quando o frio já se entranha chega a hora de subir, mas tal como era de esperar diverti-me IMENSO.

RIVERGURARA, SESIMBRA

No caminho aproveitamos sempre para contar uns aos outros o que vimos lá em baixo e na chegada ao centro, tinha à minha espera o melhor pequeno-almoço que podia desejar, na verdade não passava de um bolo que o Tiago me foi levar, mas aquela hora parecia o melhor manjar dos deuses. Parei 5 minutos, ainda de fato vestido e gelada para apreciar a vista. A Cipreia fica no mesmo edifício do Clube Naval com uma vista deslumbrante sobre a Marina e a vila de Sesimbra. Estes foram sem dúvida os ingredientes principais para virar a página a mais uma experiência subaquática a repetir.

Claro que num dia em Sesimbra aproveitamos sempre para almoçar naquele restaurante de eleição, ir beber café àquela esplanada com vista para o mar, e rever a vista ao Castelo. Resumindo, chegamos eram 08:00 horas e saímos de Sesimbra com o pôr do sol. Mas valeu! e se valeu!! Sesimbra é um refúgio brutal e foi um dia em cheio.

No Domingo, o Pick Up foi ás 10, sem atrasos, na Praia do Norte com a SURF PRO SurfSchool, mas este dia vou deixar para vos contar para a próxima, até lá divirtam-se e aproveitem ao máximo, e desfrutem do melhor que a Margem Sul tem para nos oferecer :).

Nós aqui fomos mergulhar a Sesimbra.
Nós aqui temos isto.

Agradecimentos: Um agradecimento especial à Cipreia por me ter proporcionado, mais uma vez, um maravilhoso mergulho no River :) Obrigada Tiziana o seu semi-seco ajudou a ter menos frio :)  Obrigada Sá Pinto, o desenho fez toda a diferença, e mesmo longe chegou a tempo 😉 Obrigada Jorge Pinto, as fotografias ajudaram na ilustração deste artigo :) Obrigada Luís, foste um buddie à altura :) Obrigada Tiago, aquele bolo fez toda a diferença :)

Texto: Catarina Laborinho
Fotos: Jorge Pinto e LBBblog
Ilustração: João Sá Pinto

BaiadoSeixal

VELA E CANOAGEM NA BAÍA DO SEIXAL. 11 e 12 de março.

aplaudimos

É já no próximo fim de semana que os desportos náuticos invadem a Baía do Seixal com o desfile de centenas de embarcações que vão competir em provas de vela e canoagem.

E quem fica a ver os passar os barcos também vai ter direito a animação porque vão acontecer cenas, ou melhor, “atividades complementares” a quem fica nos passeios ribeirinhos.

70 embarcações da classe Optimist vão navegar no sábado e domingo, dias 11 e 12 de março, a partir das 14 horas. Quem fica na frente ribeirinha do Seixal tem lugar na primeira fila.

No sábado, dia 11, a partir das 14 horas, na zona ribeirinha de Amora, a Baía do Seixal é o palco do Campeonato Regional de Fundo em canoagem.

Vais participar ou assistir de camarote?

BaiadoSeixal1

Nós aqui temos vela e canoagem.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar
Fotografia: CM Seixal