CaparicaSurfFest

DIA MAIS ABORRECIDO DO ANO? NÃO, VAMOS MAS É AO CAPARICA SURF FEST. Por Marlene Gaspar

surfamos

Hoje ouvi na rádio de manhã que dizem que o dia de hoje é dos dias mais aborrecidos do ano. Por ser inverno, por ser pós-natal, por se perder algum entusiasmo com resoluções de ano novo (e eu que o diga!), por já se ter estoirado tudo no Natal e nos saldos, por estar quase de chuva, porque vai ficar de chuva, e por mais outras cenas terríveis que tornam esta lista, maior que a fila de trânsito causada quando há um acidente na ponte mais linda do mundo e arredores – a 25 de abril.

Ora tristezas não pagam dívidas e não contem comigo para alimentar este estado de espírito. Nós aqui não alinhamos nisso, por isso, consigo enumerar uma lista inversa de agradecimentos que posso fazer. Mas vou deixar isso para outras núpcias. Por isso deixo-vos, por hoje um argumento bem mais digno de nota e que faz olhar para o que aí vem com um sorriso de um lado ao outro, como por exemplo, saber que já há datas para o maior Festival de ondas do nosso País e é já em março, mais propriamente de 22 a 31 de março de 2018!

Os melhores profissionais e amadores do surf vão juntar-se para mais uma edição do Caparica Primavera Surf Fest e com muita pena minha (e algum desgosto, vá) que eu não estou nesse rol. Não porque não tenho jeito, não porque tenho frio, não porque tenho medo do mar ou porque não sei nadar, mas por e simplesmente, por nunca ter experimentado. E pronto sem isso, não dá para tudo resto. Mas lá por não ter as competências técnicas e paixão necessárias para a prática desta modalidade não quer dizer que os meus olhinhos não possam por a vista em cima dos atletas cheios de jeito, que fazem ótimas exibições e que até têm um corpinho bem feito. No fundo, que emanam saúde. E o que é bom é para partilhar por isso posso contar-vos que serão 10 dias recheados de ondas, “manobras radicais, exibições em cima das pranchas, amizade, harmonia com a natureza e celebração de uma das maiores riquezas da Caparica: as suas ondas e espantosas praias que se estendem quase até ao Espichel!”

E há mais. São dois fins-de-semana de animação nos trilhos da pop, do rock, do hip hop, da música com sabor a África e a mundo e, entre muitos outros, alguns nomes consagrados da música nacional. O programa das festas vai ser lançado esta semana, segundo a organização, mas podes já ir espreitando qualquer coisa aqui.

Toma nota, é na Praia do Paraíso e na Praia do Dragão, na Costa da Caparica. E tu, vais entrar na onda?

Nós aqui temos o Caparica Surf Fest.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar
Imagem: Direitos reservados

FeiraChocolate

FEIRA DE CHOCOLATE TERMINA COM RESOLUÇÕES DE ANO NOVO! CORROIOS. Por Marlene Gaspar

degustamos

Ainda ando na luta para me restabelecer das festividades e deparo-me com um momento Jarbas:

– “apetece-me algo” e vejo o cartaz “3ª Feira de Chocolate em Corroios”! que é como quem responde :

– tomei a liberdade de pensar nisso, senhora!

A sério? Vocês querem-me dar cabo da linha ou de todas as resoluções de ano novo? É que na verdade estamos no décimo dia do ano e eu já tenho pouca coisa a que me agarrar.

Sim, tudo o que estabeleci que este ano é que é, já se conta pelos dedos e de uma só mão, os que têm alguma hipótese de se manterem. Já furei e voltei aos hábitos do ano velho. E pronto, mais uma derrota e ainda nem vamos a meio do mês. Sim, porque aquela cena de um quadrado de chocolate por dia e nada mais, não vai acontecer.

Se eu já estivesse recuperada do estrago das festividades, até me lambuzava com esta notícia, mas não. Estou uma desgraça, os Reis também não ajudaram e muito honestamente não vejo fim à vista para isto. Está aí à porta o aniversário de uma das pessoas mais importantes para mim e trufa, a seguir veem-me com uma Feira de Chocolate, que sabem que sou frágil e indefesa a este tipo de efeméride. Não há direito. Anda uma pessoa a portar-se bem, pronto, razoavelmente bem, para acontecimento atrás de acontecimento darem-me cabo dos planos.

Mas, pronto a idade vai-nos tirando as forças e o chocolate, a doçaria, a gulosice e a gordice vão tomando terreno e quando uma pessoa se apercebe, já está na teia e não tem como sair. É assim, há coisas que não dá para contrariar.

Então se não dá para contrariar há que enfrentar o “toiro pelos cornos” que é como quem diz, ir lá. Por isso de 18/1 a 21/1 tens a III Edição da Feira do Chocolate em Corroios, onde podes encontrar chocolate em barda e animação de rua.

CartazFeira

De que é que estás à espera? Não me digas que até agora andas na linha e só eu é que já avacalhei estas cenas das resoluções de ano novo!

Nós aqui temos a Feira de Chocolate em Corroios.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar

DiadeReis

SER REI OU RAINHA POR UM DIA? 6/1 NO SEIXAL. Por Marlene Gaspar

celebramos 1

O ano já começou, e as festividades ainda estão aí cheias de tentações e ainda com motivos para celebrar. Ainda não saímos de uma já estamos a entrar em outra. Natal, Ano Novo e dia de Reis. Para nós este dia é menos importante que os anteriores, o que não impede de ser um motivo para continuar a ingerir “fruta da época”, como o Bolo Rei (Rainha no meu caso, não por causa do género, mas porque odeio frutas cristalizadas e em compensação lambuzo-me com frutos secos).

Por isso Dia de Reis também é Dia de Rainhas e nada como vestirmos esse papel. Imagina que inicias o ano com o enorme poder de tornar o teu reino no melhor do mundo? O que farias para cuidar do teu povo? O que seria permitido e proibido? 

A celebração do Dia de Reis a 6 de janeiro pode ser diferente. Crianças (dos 3-12 anos) e adultos terão oportunidade de viajar no tempo e sentirem-se governantes rumo à felicidade. Dá trabalho, mas podes conduzir o teu destino. Tenho um feeling que as Queen V e Queen A cá do sítio, vão adorar. E vocês?

6 de janeiro, das 15.30 às 16.30 horas na Biblioteca Municipal do Seixal. Mais informações liga para o 210 976 100 ou envia e-mail para aqui.

Ah, e já agora, também podes tirar a árvore nesse dia ou então, não. Deixa o Natal durar mais tempo.

Nós aqui temos Dia de Reis e Rainhas.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar

IogaBebes

IOGA PARA BEBÉS NO SEIXAL. 13/01 por Marlene Gaspar

gostamos 1

Ainda a refazerem-se da azáfama da quadra natalícia? Sobreviveram às festas, às visitas, às longas e inúmeras refeições que fizeram nestes dias? A ressaca está quase a desaparecer, mas ainda se faz sentir? Pois é tudo o que precisam é dum SPA ou uma cena zen para limpar a mente e o corpo. Ai o corpinho levou um tareão que sabe Deus se e quando é que vai recuperar. Mas se vocês se sentem assim, imaginem estes “meninos Jesus” que este ano alegraram pela primeira vez os Natais de muitas famílias e que fizeram com que a passagem de ano fosse com uma folia mais controlada.

Pois é, há muito bebé que se estreou nestas lides natalícias e está a precisar de um descanso, e de lidar com todo o stress que esta altura do ano causa, porque andar de colo em colo, comer que nem um abade, arrotar, fazer gracinhas, cocó, xixi e bolsar meus amigos é uma canseira. Nós aqui temos a solução para essas coisas mais boas que são os nossos bebés, que num ambiente calmo e acolhedor, podem fazer uma série de exercícios simples, acompanhados de ritmos e canções que irão enriquecer uma atividade com muito cuchi cuchi  e diversão com os benefícios do ioga.

Se restar alguma dúvida sobre o tema, podem tirá-las no sábado, das 17.30 às 18.30 horas, na Biblioteca Municipal do Seixal para uma aula com o vosso bebé dos 6 aos 11 meses, acompanhados por um crescido. A orientação técnica é da Associação Crescer.

Bom, quanto a mim não me importava de ser bebé por uma hora (ou mais uns dia, vá), porque o ioga pode não resolver todos os excessos acumulados nos últimos 15 dias, mas parecendo que não, facilita.

Nós aqui temos ioga para bebés.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar

PassagemAno2017

BALANÇO DE 2017, CONVITE PARA 2018. Por Marlene Gaspar

celebramos 1

Ele há anos bons, menos bons, assim-assim, muita bons, extraordinários e, pontualmente, há aqueles anos que são do caralh#$$%$#”, “duca”, como dizem os amigos brasileiros quando algo é para lá de bom (dimunitivo da expressão anterior). É bombástico. Para mim, 2017 foi destes, foi “duca”. Foi acima das minhas expectativas e agora vou ter de gerir o 2018 poder ficar um bocadinho mais fraquinho, vá. Mas estou cá para isso, com todas as minhas forças e com algumas extras que consigo ir buscar.

AnoNovo2017

Foi um ano cheio de realizações e conquistas. Foi o ano de separar o trigo do joio e foi o ano em que consegui fazer mais checks em alguns pontos da minha bucket list. Sim, tenho uma, ambiciosa. E se esta diminui de um lado aumenta por outro. Irra! Por isso a palavra que elejo para 2017 é gratidão. Muita gratidão.

Infelizmente não foi um ano bom para muitas famílias e isso não me deixa feliz. As tragédias causadas pelo verão quente invadem muito dos meus pensamentos e a minha solidariedade está convosco e com todos os que passaram por momentos menos. A todos desejo muita força, fé e coragem.

Para o blog e como aqui já contei, foi um ano bom, como já contei aqui. Obrigada, mais uma vez a todos os que contribuem de alguma forma para o blog e não fiquem chateados comigo por nem sempre conseguir responder a todas as solicitações. Volto a dizer que estou aberta a dar espaço a quem tiver histórias e cenas boas da margem sul para contar e que pode assinar em nome próprio, que eu aqui gosto muito disso. A Célia Estrela e o Mário Nabais foram um bom exemplo disso. Foram os repórteres do LSBb no Sol da Caparica. Por isso podem enviar sugestões, fotos, os vossos textos que eu prometo que vejo, respondo e se estiver em linha com a o melhor que acontece na margem sul, publico com os devidos créditos. Sim, esse crivo, vai ter de acontecer, porque a ideia é seguir a linha editorial, e tem de se cingir ao que acontece na margem sul, que aqui não cabe tudo e mais um par de botas. Pelo menos, da parte que me toca.

Bom Ano para todos, margem sul e arredores. 2018 estou de braços abertos aqui para ti e quase pronta (ainda tenho que me ir aperaltar), para entrar como manda o figurino.

2017-2018

Nós aqui tivemos um ano “duca”.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar

AlmadaVelha

CAMINHADA POR ALMADA VELHA. 20 janeiro. Por Marlene Gaspar

caminhamos 1

Gostas de fazer caminhadas e de preferência por sítios agradáveis. Então trago a sugestão ideal para ti. Que tal dar uns passitos, vários por Almada Velha, num traçado de pequenas ruas e largos reconstruídos após o terramoto de 1755, até aos dias de hoje e onde vais poisar a vista com paisagens de cortar a respiração sobre o rio Tejo e a nossa capital.

Marca na agenda, sábado dia 20 – parece que falta muito, mas passa num ápice, vais ver, às 15h. A partida é no Centro de Interpretação de Almada Velha. Para saberes mais liga o 212 724 950 ou envia um e-mail para aqui.

Nós aqui temos caminhadas por Almada Velha.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar

MercadoBrinquedos

MERCADO DE TROCA DE BRINQUEDOS EM ALMADA. 6 janeiro. Por Marlene Gaspar

brincamos a isto 1

 

Ainda a recomporem-se dos excessos de Natal? Por mais detox, chá verdes e afins, o “estrago” dos últimos dias teima em persistir? É fruto da época e já aqui falei num plano de ação. Mas Roma e Pavia não se fizeram num dia e há outros excessos que precisam da nossa atenção. E hoje foco aqui os brinquedos. A troca de brinquedos faz a magia das crianças, mas por vezes, a quantidade de presentes torna-se um pouco exagerada e menos valorizada pelas crianças, por isso mesmo, por ser um excesso.

Brinquedos

Porque não pensar em dar espaço para os novos brinquedos entrarem e permitir que outras crianças desfrutem e ganhem “novos” brinquedos? Nós aqui, temos o Mercado de Troca de Brinquedos que é já no dia 6 de janeiro, às 10h, no Fórum Municipal Romeu Correia em Almada. É uma forma divertida de repensar o consumo consciente e os modos mais sustentáveis de brincar.

Às 10:30h ainda há a Oficina de Pais onde se pretende estimular de maneira lúdica a fala dos 3 aos 5 anos, para pais e educadores de crianças do pré-escolar. Atenção que o número de vagas é limitado, por isso sabe mais aqui ou liga para o 212 714 923.

Nós aqui temos o Mercado da Troca de Brinquedos.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar

fecharaboca

O QUE FAZER DO NATAL À PASSAGEM DE ANO? Por Marlene Gaspar

degustamos

Olá minhas bolinhas de Natal? Sobreviveram às várias rondas de almoços e jantares? Nós aqui, e falando da parte que me toca, sim! Com tudo o que se tem direito e mais um pouco. Aqui me confesso que me descontrolei um bocadinho e hoje elejo o rebolar como o melhor meio de transporte para a minha pessoa. Respondendo à pergunta que aqui me trouxe, e sabendo que o plano das festas aqui na zona é daqueles bons, mesmo bons, a mim resta-me um resposta curta – fechar a boquinha!

Olhem que eu não sou “ssoa” destas coisas, até porque muita comida de fácil acesso, como buffets, costuma ter um efeito contrário em mim – ao querer tudo, parece que não me apetece nada. E, desta vez, não sei o que me aconteceu, mas parecia que o meu estômago estava um poço sem fundo (já o mesmo não posso dizer da minha conta bancária, que aqui também houve algum descontrole. Mas aqui, os efeitos secundários são mais positivos, deixar os outros felizes e contentes tem o efeito a dobrar sobre quem dá). Sabem aquela coisa de pensar que um dia não são dias e amanhã nem se nota. Devo ter levado isto demasiado à letra, porque no dia a seguir isso não passou ao lado da balança. E se pensam que está bem distribuído, desenganem-se, que eu sei muito bem que parte do meu corpo ficou mais maltratada. Adiante.

Olhando para os últimos dias, o prazer compensou estes incómodos – pelo menos alguns. Seguramente, e como pedi, os presentes embrulhados não foram os Reis da Festa – calma – adorei tudo e não vou passar nem um minuto a trocar nada, o que é um grande feito. Ou então, já sou mesmo um livro aberto! A companhia é que foi sem dúvida a estrela da companhia. O Natal foi passado aqui, na minha querida margem sul com os meus e os nossos, e o Pai Natal, cumpriu todas as “exigências”, ou quase todas, que como mãe, há que fazer escolhas.

Ainda não estou preparada para a Passagem de Ano e para todas as tentações que esta provoca – estou a falar das gustativas, ok? Por isso resta-me até lá fechar a boquinha (vamos ignorar o dia de hoje, porque amanhã é que conta!), porque se o ritmo assim continuar, não sei onde vou parar. Só sei que não vai ser bonito. Esta regra não se aplica à converseta, porque podemos dar continuidade à quadra dos afetos e continuar a emanar e desejar energia positiva ao próximo. Eu começo:

Continuação de Boas Festas, e já agora, das visitas por aqui. Nós aqui, gostamos disso! Bem-hajam.

Nós aqui temos de fechar a boquinha.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar

23004864_332232973852002_6107867516237343566_o

TONTOS AO VIVO, SEXTA-FEIRA, 22 DEZEMBRO.

Vamos a isto

Ah pois é, os TONTOS, a banda que já vos falamos aqui e que nunca escondemos o carinho especial que temos por eles, não fossem amigos de berço (não todos, mas não faz mal) vão dar o seu primeiro concerto de apresentação aqui, na Margem Sul.

O local escolhido não podia ser melhor, na Fonte da Telha, no Areias da Telha dia 22 de Dezembro pelas 23h00. Uma prenda de Natal antecipada para todos nós.

Os TONTOS, só de nome, porque a música essa tem influências maioritariamente rock que tenta ser despretensioso, no que diz respeito à atitude e estado de espírito. São uma banda de canções fortes com uma sonoridade vincada pela forte personalidade de cada elemento, que refletem a unidade musical entre eles.

Os TONTOS são formados por Vasco Boucinha (Voz Principal e Guitarra) – Já tínhamos saudades de ouvir a tua voz-, Joel Cabeleira Costa (Guitarra e Voz), David Campos (Bateria), Júlio Guerreiro (Teclas) e Sérgio Julião (Baixo e Voz).

Tontos

Da esquerda para a direita – David Campos, Vasco Boucinha, Sérgio Julião, Joel Cabeleira Costa e Júlio Guerreiro

Para acompanhar os TONTOS de perto siga-os aqui.

Nós aqui gostamos disto,
Nós aqui estamos em pulgas para os ouvir ao Vivo

Até Sexta :)

Texto: Catarina Laborinho
Fotos: TONTOS

AnaMoura

ANA MOURA EM ALMADA. 22 dezembro. Por Marlene Gaspar

ouvimos

Ai que saudade
Que eu tenho de ter saudade
Saudades de ter alguém
Que aqui está e não existe
Sentir-me triste
Só por me sentir tão bem
E alegre sentir-me bem
Só por eu andar tão triste…

A-do-ro. A-do-ro a Ana Moura, sou fã e já estive várias vezes na fila da frente a trautear as suas músicas, já para não falar quando as apanho no carro onde canto bem alto para desespero da carcaça, que felizmente não tem ouvidos. Mas, para quem tem ouvidos e quiser música boa a ecoar nestes, é ir ver a Ana Moura, que vem atuar em Almada, no dia 22 de dezembro no Teatro Municipal Joaquim Benite, às 21h.

Quem pode, pode e a Ana Moura pode. E vocês podem ouvi-la. O preço dos bilhetes variam entre os €20-€25 e podem comprar aqui.