1

DICAS PARA O SEU FILHO FALAR CONSIGO Por Helena Gonçalves Rocha

ASSINATURA 2 1

Os pais queixam-se muitas vezes que os seus filhos não lhes contam nada, ou então que contavam tudo o que se passava durante o dia e que de repente deixaram completamente de falar e que a única coisa que recebem de reposta quando lhes perguntam “ Como correu o teu dia?” é um simples e “alegre” grunhido “Bem”.

A verdade é que as competências comunicacionais, ou antes, a relação de confiança necessária para que estas conversas aconteçam, começam a ser trabalhadas logo nos primeiros anos, muito antes da idade do armário, muito antes da chegada à adolescência.

Quando o seu bebé chora e ternamente o coloca no colo, está a dizer-lhe que pode confiar em si e que está ali para Ele. À medida que ele vai crescendo e que vão surgindo novos desafios, sejam eles as amizades, a pressão da escola, as situações de bullying, esta relação de confiança torna-se vital. Um dos nossos papéis enquanto pais é ajudar os miúdos a organizarem tudo aquilo que lhes aconteceu ao longo do dia. Inicialmente eles não dispõem das competências cognitivas necessárias para o conseguirem fazer sozinhos e como tal, lá estamos nós para os apoiar.

Antes dos 6 anos:
Vai buscá-lo à creche ou ao jardim de infância e pergunta-lhe: Então, o que fizeste hoje?  e invariavelmente a resposta é : “Não sei” ou “Brinquei”. Isto se conseguir resistir à clássica pergunta de: “O que almoçaste hoje?”, aí tenham dó mas não há criança que resista a tão interessante tema.  Bom, a verdade é que por esta altura os miúdos já conseguem compreender muita, muita coisa, mas expressar verbalmente tudo aquilo que desejam já requer muitas competências de linguagem que ainda não estão adquiridas e, como tal, acabam por sintetizar toda essa informação num tipo de resposta que irá assegurar o contentamento dos seus pais :” Brinquei” ou “ Não sei”.

O truque aqui passa por conhecer um pouco a rotina do seu filho e fazer perguntas mais específicas que o ajudem a elaborar a resposta. “Qual a foi a história que contaram hoje no tapete?” “Com quem brincaste na casinha?” “O que fizeste hoje na área das construções?”

Caso queira saber como o seu filho se sente, tente observar o seu comportamento e questione-o. Por exemplo, pode dizer “ Reparei que hoje estavas com uma carinha triste, o que se passou?” Por esta altura convém não sobrevalorizar a resposta, nem criar alarmismo, o ideal é ajudar a criança a compreender os comportamentos e emoções de quem a rodeia e mostrar uma atitude empática e compreensiva, de modo a que na próxima vez o seu filho saiba que pode contar consigo e que não vai ser criado todo um drama à volta da questão. Aos poucos pode ir passando algumas estratégias de possíveis resoluções para o problema apresentado.

Helena Rocha

Idade escolar
Dica fundamental: não abra um interrogatório de 20 perguntas assim que o vai buscar à escola. Depois de um dia inteiro na escola é tudo aquilo que um miúdo não deseja.

Assim ,perca algum tempo só “a estar”, ou seja, demonstre-lhe “estou aqui para ti.

“ Estava com saudades tuas, parece que já cresceste um bocadinho desde hoje de manhã”.

A azáfama, a correria depois de os irmos buscar à escola é inacreditável: vai para a natação, vai ao futebol, vai para o inglês, faz os TPC, toma banho, janta e…vai dormir. Algures aqui no meio teremos de arranjar um tempo “só para estar”, antes de dormir dez minutos de conversa, na viagem de regresso da escola, nos primeiros quinze minutos em casa…a tarefa é…“só estar”, descermos ao seu nível, abrirmos os braços, abrirmos bem os nossos ouvidos para escutar e abrirmos o nosso coração.

Um bom desbloqueador de conversa será partilhar também partes do nosso dia, demonstrando que todos nós, independentemente da idade, temos bons e maus dias.

E aprenda a Escutar, as pequenas e as grandes coisas, pois os pequenos detalhes que eles tanto valorizam se forem realmente escutados, darão oportunidade para que quando surja algum problema eles saibam que têm no Pai ou na Mãe alguém que os escuta.

Helena Rocha

Pré – adolescentes e Adolescentes:
É verdade, é mesmo inevitável que eles cresçam.

Já não precisam,  e muitas vezes não querem, que  estejamos  fisicamente presentes em muitas partes dos seus dias.

Mas continuamos a ser muito necessários para o suporte emocional. E se queremos manter a porta aberta para que continuem a partilhar connosco é fundamental, continuar o exercício de Escuta, ouvir, ouvir, ouvir. E por muito que possa custar, focar menos nos resultados ou nas soluções.

A tendência natural quando nos é exposto um problema é apresentar de imediato estratégias de resolução, pois bem, com a apresentação destas estratégias vêm também os juízos de valor. E espanto, dos espantos, ninguém gosta de ser julgado e muito menos um adolescente.

Por esta altura um dos melhores locais para desenvolver uma conversa é mesmo nas viagens de carro, onde eles não são obrigados a estabelecer contacto visual. Por outro lado, poderá reservar algum tempo da sua semana para fazer uma actividade com o seu filho, quer seja praticar um desporto de interesse de ambos ou ver a série de Tv favorita.

Nesta idade continua a ser muito importante ter atenção à linguagem corporal e sempre que sentirmos que algo não vai bem, disponibilizarmo-nos para ouvir. “Quando achares que estás preparado estarei aqui para te ouvir”

Esta atitude de Escuta, estes laços de confiança e relação têm mesmo de ser iniciados logo desde cedo. Desligue o telefone, desça  ao nível do seu filho e escute o que ele tem para dizer. Vai ver que vai valer muito a pena!

dialogo-mae-filha

Bom Fim de semana!
Helena Gonçalves Rocha

Nós aqui educamos para isto.
Nós aqui temos isto!

Contactos
helenagoncalvesrocha@gmail.com
Miúdos e Graúdos, Clínica Médica
Av. Pinhal da Aroeira, Lt 562
Aroeira Shopping area Lj 18
Herdade da Aroeira
2820-566 Charneca da Caparica
TEL.: 212 977 481

1420840749_facebook-512

Fotografias: D.R.

 

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *