ginásio1

FIZ AS PAZES COM O GINÁSIO. 5 RAZÕES PARA ISSO. Por Marlene Gaspar

gostamos

Antes de tudo o que possa aqui dizer, há que fazer um esclarecimento importante – eu odeio o conceito ginásio. Ir ao ginásio para mim é um sacrifício, dói-me até às entranhas, tudo é feito com esforço. Eu sei, que essa é a ideia, esforço, mas para mim vai para além do físico. Ou então não, mas eu sinto que me esforça até a alma.

E o que é que eu não gosto no ginásio? Não posso dizer tudo, porque seria demasiado generalista, mas anda lá muito perto. Na verdade eu não gosto de fazer exercício físico em espaços fechados. Há que ser honesta, não gosto de exercício físico. Mas, e como já partilhei convosco, tolero correr (e até me dá prazer e faz-me sentir bem) e grandes caminhadas (como já vos relatei as minhas idas a Fátima), lá está, em contacto com a natureza, dá ali uma aliviada. Não gosto do cheiro do ginásio, não gosto do meu próprio cheiro no ginásio, não gosto dos “grunhires” (leia-se o som emitido pela malta que levanta pesos, incluindo os meus), não retiro qualquer prazer no esforço, chateia-me a logística do despe, veste, toma banho (até porque me esqueço quase sempre de alguma coisa importante – mas quem nunca?), não gosto de fazer conversa no ginásio, porque não estou ali para fazer amigos, não porque sou antipática, mas porque não estou ali propriamente de livre vontade, estou ligeiramente contrariada. Ah, também não gosto de pagar a mensalidade no ginásio. E em traços gerais é isto. O que eu gosto mesmo do ginásio é sair dele. Aí sim, sinto-me melhor, mais ágil, energética, o que me motiva para voltar à vez seguinte. Ainda assim, até à data nunca consegui sentir-me “sarada”, mas há que ter fé.

E feita esta minha nota prévia, posso contar que no início do ano decidi voltar ao ginásio. Eu sei que depois da introdução pareço um pouco esquizofrénica (quiçá não seja um bocadinho com esta decisão!), mas ano novo, vida nova. A lei da gravidade fez-me tomar essa resolução e não é assim no primeiro ou no segundo mês que vou mandar a toalha ao chão. Não, desta vez é para ir mesmo ao tapete.

Já há mais de uma década que não andava no ginásio, mas antes disso frequentei vários, onde se foi desenhando uma morte lenta. E, deixando o discurso de looser, o que é que me fez voltar e o que é que eu acho que fez a diferença para continuar?

1# Localização – é a primeira vez que estou num ginásio da Margem Sul. Eu sei que parece forçado, dado o intuito do blog, mas em termos práticos e logísticos facilita muito. Já andei em Lisboa, e chegava muitas vezes atrasada às aulas, não podia entrar porque saltei o aquecimento e pimba – ia recambiada para o ginásio mesmo e voltava a recordar tudo aquilo que eu não gosto do ginásio.

2# Idade – quando se começa a ser uma senhora de idade, percebe-se que a lei da gravidade já não vai lá com um cremes, com bebidas detox, ou alimentação saudável – (como se alguma vez fosse uma aluna exemplar com estas), e toma-se consciência que ou contrarias ou a tendência é piorar. E eu não vou voltar a um dos meus maiores prazeres desta vida, que é ir à praia, no estado em que estou. Não vou ter o corpaço de uma brasileira pronta a desfilar no sambódromo, com muita pena minha, mas também não vou estar como estou. E por isso, há que mudar hábitos, porque só em equipa vencedora é que não se mexe. E como, cada ano que passa, estou no fundo da tabela da 3ª divisão, há que trabalhar para não ser despromovida para a distrital. Com fé, com o @CelsoMartins e com o meu esforço poderei voltar ao à primeira liga (se é para sonhar é para ser em grande). O problema vai ser o meu esforço, porque a fé e o@CelsoMartins vão dar o seu melhor.

3# Aulas – tem de ter aulas. Todo o tempo que eu passo sozinha no ginásio, estou sempre a pensar que estou no ginásio. Ora, é algo que tem de me fugir do pensamento, por isso as aulas são uma ótima forma de estar com um profissional e de me obrigar a estar mais atenta aos exercícios do que ao redor. Os horários são importantes e aqui tenho as aulas que gosto antes de me lançar ao trabalho. O que é muito bom.

4# Ginásio – como já referi, já andei em vários ginásios e já apanhei de tudo. Se a minha relação com o ginásio é o que é, tenho mesmo de ter todas as condições para contrariar a minha insatisfação. Tem de ser o melhor, o mais completo, o que me faça sentir menos mal. E, encontrei o que me enche as medidas e cumpre os requisitos anteriores.

5# O mais importante, as Pessoas – até hoje nunca foi motivo para sair de um ginásio e reparem que foi algo que nunca apontei como queixa. Sempre apanhei bons professores e restantes profissionais. Mas aqui, estou mais bem acompanhada. Até porque, ainda não contei isto, mas para combater todas as cenas que eu não gosto no ginásio, tive de ir com tudo, foi pôr toda a carne no assador. E, por isso, tenho essa coisa chiquérrima que é um personal trainer. E não é um personal trainer qualquer (sem desprimor para todos os outros, até porque não conheço mais nenhum), mas eu tenho o Celso Martins. Já conheço o Celso &  família há alguns anos e talvez por invejar aquelas silhuetas altas e espadaúdas, pensei – se calhar se usar alguns truques que esta malta usa, posso ficar um pouco mais espadaúda (sim, porque alta, sabemos de antemão que não vai dar. Também temos pena – es lo que es). Falei com o Celso e boto 98% de fé no seu profissionalismo e 2% no meu esforço físico e acreditem que devem ser mais suados os meus 2% do que os 98% dele. Ou então, não, porque até o Celso fica com aquele ar de “ai Meu Deus, como é que eu me meti nisto!” E já soltou o desabafo: “ai, ai, vais-me dar tanto trabalho”. O que incentiva, porque eu achava que o trabalho era só meu, mas não! Ele também sua um bocadinho, nem que seja, dos nervos que eu lhe causo, mas cada um tem o que merece.

ginasio

E posto isto, encontrei o ginásio que fez check a todas estas minhas exigências e posso dizer já lá estou há 1 mês e 1 semana e ainda não desisti (não desprezar que isto para mim é uma conquista).

Quanto a resultados, bom, contarei num outro desabafo, que já estou a suar por ter exteriorizado todo o meu sentimento relativamente ao ginásio, mas posso dizer que a nossa relação neste momento está bem, está estável e se de parte a parte houver interesse, podemos aguentarmo-nos mais uns 2 ou 3 meses, vá. Vamos ver. Sem pressão!

Nós aqui voltamos ao ginásio.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *