margemsul2

GENTE BOA NA MARGEM SUL. Por Marlene Gaspar

gostamos 1

E o fim de semana passado foi assim…vida. Temperaturas despropositadas para a época que fez com que todos fossem a correr para as praias. E quando digo todos, foi mesmo todos, porque fui para ir almoçar à praia, como é muito hábito ao fim de semana e tive de dar meia volta ao cavalo, pois habilitava-me a esperar 3 horas para uma refeição. Sou cada vez mais uma senhora de idade e com 2 filhas pequenas e esse tempo não é razoável.

Felizmente moro aqui ao lado e a volta não foi grande e conseguimos almoçar numa esplanada em tempo útil e aceitável para os nossos estômagos. Mas quando dizemos às miúdas que vamos à praia temos mesmo de ir à praia, porque não somos políticos e promessas são para cumprir sob pena de sermos uma fraude como pais. Não queremos isso, já bem basta aquelas coisas que não veem no manual de instruções e que nem sempre sabemos de antemão como lidar.

Por isso o regresso à praia foi inevitável. A Fonte da Telha estava cravejada de gente, pelo menos a dirigir-se para lá, por isso fomos rumo à vizinhança e não ficámos nada mal servidos. Ainda deu para abancar numa espreguiçadeira até encontrar coragem para molhar o pezito (branquela de todo, mas é o que é nesta altura do ano!). A tarefa foi mais fácil do que o previsto, porque se a temperatura cá fora tinha levado aquela gente toda para ali, a da água estava ainda mais convidativa. Foi pezinho, joelho e uma onda mais atrevida foi subindo e criando vontade daquele mergulho. Se eu não me pude dar a esses luxos, porque não levei nada para o efeito (leia-se a porra do fato de banho) a minha filha mai nova mandou tudo para água e depois foi a própria. Sem roupa em condições, sem muda ou toalha, estava ali um bico de obra para qualquer pai/mãe, mas se estamos sempre a criticar gente que não sabe estar, tivemos uma mãe, que desconhecia e veio ter connosco oferecer uma toalha e uma muda de roupa. Envergonhados, mas agradecidos, aceitámos a toalha enquanto fomos ao carro buscar um casaco que podia cobrir o corpo da aventureira Alice (e a inveja que eu estava daquele mergulho dela e de poder mandar tudo para o alto e refrescar-me). Comentámos que, provavelmente não nos lembraríamos de fazer o que aquela mãe fez, mas ficámos contentes por aquele exemplo. Seguramente, se vir alguém no papel que eu fiz, vou querer ser como a mãe da Carolina, do Henrique e de outra filha que à semelhança da mãe não fixei o nome! (mais uma vez, menos uns pontos para moi meme!)

margemsul3

A mim e à Alice restou-nos retribuir com bolachas (porque pode-nos faltar roupa, toalha e chinelos, mas se há coisa que não falta é comidinha, que quem vai para o mar avia-se em terra – estou a ser irónica comigo mesma, relativo à indumentária).

Depois deste fim de semana maravilhoso, o S. Pedro mostrou que ele não se deixa levar por entusiasmos e por isso vai-nos deixar com um Carnaval assim-assim. Já os houve com melhores temperaturas, também já os houve com piores. Não sendo na praia, já sabem onde vão desfilar e sambar esse corpinho?

margemsul1

Nós aqui encontramos gente boa na margem sul.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar
Foto: Rui Tomás

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *