Artigos

2aniversario

2º ANIVERSÁRIO DO LISBON SOUTH BAY BLOG – A IDADE DAS BIRRAS

agradecemos isto 1

2 anos. Passaram 2 anos desde o dia do lançamento do Lisbon South Bay blog! Na verdade, já são 2 picos, porque antes do lançamento houve muito trabalho para ter “o circo montado”, mas olhando para trás, passou num ápice. 2 anos de muitas histórias, de muitos bons momentos, de muitas boas dicas e sugestões. Mas, invariavelmente, os 2 anos são a idade das birras. E nós aqui, não somos diferentes. A mim, quando me batem, batem forte e feio, mas também me passam depressa que isto dá 2 trabalhos: ter a birra e depois sair dela.

Muitas coisas mudaram desde o dia do lançamento. Quando contei aqui como o projeto nasceu o envolvimento era outro. A família está diferente, mas os filhos de pais separados têm a vantagem de conhecer novas perspectivas e experiências. Começar um projeto, criar algo novo é sempre muito exigente, mas agora posso concluir que a maior prova de fogo é manter. É como as dietas, começar é difícil, manter é que são elas. Manter exige disciplina, rigor e disponibilidade. Mas quem corre por gosto não cansa, e eu não quero queixar-me. Pelo contrário. Quero agradecer. Agradecer a todas as pessoas que direta e indiretamente contribuem para manter este pequeno de pé e a crescer saudavelmente todos os dias. Às inúmeras sugestões que recebo e que nem sempre consigo experimentar, a quem critica de forma construtiva, a quem também contribui com conteúdos no blog.

Recordo quem agradeci e nunca vai ser demais para retribuir o que fizeram para que este projeto estivesse de pé. Estou particularmente grata por terem acreditado e por viabilizarem a ideia. Os seguidores, os clientes e os parceiros – com um especial carinho para quem verdadeiramente abrilhanta este blog – a Helena Gonçalves Rocha, que semanalmente nos dá dicas extraordinários, para o nosso maior projeto de vida e que não vem com manual de instruções – os nossos filhos. Mas, permitam-me hoje um especial agradecimento ao maior culpado disto tudo. Ao meu partner in crime – o Rui, a.k.a., Ruca. Ele não vai gostar, não vou ter os créditos que tive com a minha irmã, mas ainda assim vou arriscar.

Ainda hoje recordo o dia em que a ideia do blog surgiu. Ela surgiu precisamente por causa do nome, que há quem conteste, mas que para mim continua a fazer sentido. Foi no verão de 2015. Estava na praia e li a notícia da nova designação criada para tornar atrativa ao exterior a região da margem sul – Lisbon South Bay blog. E isto foi como um momento: – Eureka! A designação que faltava para elevar a margem a sul ao estatuto que merece. Os conteúdos do blog iriam justificar porquê. Quando partilhei a ideia com quem me fomentou a paixão pela margem sul (o meu partner in crime) a minha expectativa era ter uma reação que colocasse em causa, que me alertasse para as impossibilidade, para as dificuldades e para o investimento (onde entrou com uma generosa parte). Até porque se há pessoa assertiva e que não se deixa embandeirar em arco e di-lo como uma “bota da tropa” é este partner. E eis que ele não só gostou, como praticamente me disse para me atirar de cabeça e que iria estar lá para ela não se partir toda. Incentivou e desde o início que está disponível para bater bolas, para usar os seus recursos e ainda torna possível dar corpo a algumas ideias. Muito obrigada.

Uma coisa é certa, com mudanças de estratégias e até do propósito com que foi criado, o Lisbon South Bay blog é um projeto do qual sempre me orgulharei de fazer parte.

2aniversario

Da parte que me toca, aqui estarei enquanto me der gozo e vontade de escrever sobre o melhor que acontece na margem sul. Uns dias com mais birra – os terrible two!, outros mais predisposta, porque contam-se pelos dedos os dias que não consigo escrever. E isso, faço aqui um desabafo – quando acontece deve-se a situações altamente dramáticas ou catastróficas, tais como: adormecer com o computador na mão, estar a desbundar numa festa, partilhar bons momentos com os amigos ou simplesmente, porque não consigo escrever uma linha de jeito! Como veem, isto nem sempre é fácil! Por isso também estou disponível para dar espaço a quem já se tem manifestado em partilhar o que melhor acontece na margem sul ou na Lisbon South Bay. Eu aqui, alinho nisso.

Obrigada a todos, mas principalmente a ti, que estás desse lado.

Nós aqui celebramos 2 anos.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar

Mundet

ANIVERSÁRIO QUE É ANIVERSÁRIO CELEBRA-SE NA MUNDET. #seixalando4

celebramos 1

40 primaveras. 4 décadas, 40 anos! Acabei de fazer 40 anos! Ouviram bem qua-ren-ta, qua-ren-ta aninhos. Se uma parte de mim ainda está incrédula com a bisga com que aqui cheguei, outra parte bate as palminhas de contente por cá ter chegado. Em bom, sem espinhas, com tudo para dar. Sempre me pareceu que esta meta estava longe e só acontecia aos outros, eu continuava por ali, nos trinta. Mas não. Cheguei. Cheguei bem. Com saúde e melhor do que estava aos 20 e mesmo do que estava aos 30 (ok, há algumas cenas que não contrariam a lei da gravidade, mas tirando a porra desse pormenor, está tranquilo, está favorável).

Tendo em conta isto, só tinha uma opção. Celebrar. Em grande, e com quem me tem acompanhado nestas últimas décadas. Público exigente, anfitriã a querer impressionar e como não podia deixar de ser queria fazê-lo na margem sul! A maioria dos convidados vinha da outra margem e por isso tinha de lhes mostrar que valia a pena a viagem (eu sei, que o motivo já era razão para pagar a viagem, mas ainda assim, temos de “dress to impress”). Na verdade, sabia muito bem onde queria fazer o festão. Não tinha plano B e felizmente não foi preciso. O local escolhido foi a Mundet. Já aqui partilhei que muito me agrada o espaço e para uma ocasião especial tinha de ter estes ingredientes: boa comida, bom ambiente, boa música, bom serviço, boa companhia e ter muita pinta. Adoro este espaço, porque é um espaço cool, despretensioso, com good vibes e bom gosto. João Macedo, o chef e proprietário do espaço ressuscitou os antigos refeitórios da Mundet, um dos espaços mais emblemáticos do concelho do Seixal com uma vista privilegiada.

JoaoMacedo

João Macedo e aniversariante

Falei com o João que, mais uma vez, me recebeu de braços abertos e se prontificou para proporcionar uma festa de arromba. “Fechámos negócio” no casamento dos meus cunhados Ivo e Filipa (outra festa de arromba, que não me compete aqui relatar), onde ambos fomos convidados e não podia ter corrido melhor.

Mundet

Os cunhados Ivo e Filipa

A Mundet tem uma carta de fazer crescer água na boca e os menus especiais de grupos não ficam atrás. É que não deixam faltar nadinha: as entradas, o prato principal, a bebida, a sobremesa e o café. Comecemos pelo início – as entradas são assim como eu gosto, à séria e não para inglês ver. Adoro o queijo, o pão (a minha perdição) e os enchidos. O prato principal pode ser carne ou peixe e eu engalfinhei-me nos dois, e está difícil dizer qual eu gosto mais – o salmão não me fez de trouxa e a presa ibérica deixou-se apanhar facilmente. A vinhaça é de uma grande categoria, o que para uma senhora de idade como eu, é algo muito apreciado. Para rematar, o crumble de maçã saltou-me as papilas gustativas de felicidade.

E se terminássemos por aqui já se podia dizer que fechávamos com chave de ouro, mas não ficámos por aqui. O melhor ainda estava para (ou)vir, porque fomos brindados com o concerto ao vivo e a cores dos Dados Viciados que partiram a loiça e ainda fizeram todas gente cantar-me os parabéns, incluíndo os próprios. Foi a puta da lou-cu-ra.

O meu discurso não fez chorar as pedras da calçada, porque o momento foi de celebração. Celebração e pedido de um desejo, como me ensinou a minha filha – morde a vela (eram só 40!), vai para debaixo da mesa, pede um desejo e grita. Fiz tudo isso e o meu desejo é ter mais 40 anos tão bons como este. A fasquia está alta, mas diz-me a idade que há sempre espaço para nos surpreendermos.

MundetSeixal

A celebração com os meus.

Perguntam-me muitas vezes o que recomendo para almoços/jantares de grupo aqui na South Bay. Acho que agora não ficam dúvidas. A Mundet é a aposta segura! Obrigada ao João Macedo, à Mundet Factory, aos meu núcleo duro, aos Dados Viciados, ao seu público e ao meu, ou seja,  todos os convidados que partilharam comigo esta noite tão especial. Se um dia tivesse sonhado com os meus 40 anos, não queria mais nada do que o que tive. Foi espetacular. Posso confessar que entrei mais bem resolvida nos 40 do que nos 30 e esta última década foi sem dúvida a melhor. Termino citando essa grande figura deo estilo, Coco Chanel: Não se é jovem aos 40 anos, mas pode-se ser irresistível em qualquer idade.

Mundet.Seixal

Momentos: Carla, Catarina B, Grupeta, Isabel, Rute, Fátima

Nós aqui temos a Mundet.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar
Fotos: Quem se apanhou com o telefone na mão!

sxl_entrada

O CONCELHO DO SEIXAL FAZ 179 ANOS

parabenizamos ISTO 1

O Concelho do Seixal está de parabéns e recomenda-se. Faz hoje 179 anos.

O bolo e a sessão solene com atribuição de medalhas municipais é só às 21h no Auditório Municipal, Fórum Cultural do Seixal, mas os festejos começam-se cedo.

Por isso minha celebração arrancou com uma corrida matinal pela minha zona de eleição no concelho – a Verdizela (não vale a pena escamotear esta preferência).

A volta é escolhida em função do tempo que tenho, pois o ritmo é lento. Quando consigo fazer isto o meu dia corre (e aqui não é correr no sentido literal) muito melhor. Ou seja, agora sim consigo entender o slogan: “sofres mais quando não fazes”. É tão verdade.

Mas, mal eu sabia quem ia encontrar. Já quase a entrar na reta final do meu esforço vejo uma figura dentro de um SUV a falar com um senhor. E era, o Jardel – um dos grandes jogadores do Benfica. Nós aqui, sabemos que a nossa vizinhança é bem sucedida, mas afinal estamos sempre a descobrir que a nossa bucket list (leia-se a nossa lista de pessoas com quem queremos falar sobre as suas escolhas, preferências e alegrias aqui, na Lisbon South Bay não para de aumentar). E isso é tão bom e estimulante.

Na semana anterior, a fazer a mesma coisa encontrei do outro lado da estrada o “nosso” Miguel Oliveira a passear os cães. Confesso que não o reconheci de imediato, mas temos falado tanto nele que rapidamente “caiu-me a ficha”. E, estão vocês a pensar, que eu fui logo falar com eles. Não ia perder essa oportunidade, claro.

Errado.

Não fui falar com eles. E porquê? Porque às vezes para-me o cérebro!

Mas, basicamente, a versão oficial de eu não ter falado com estes dois atletas para apresentar o nosso blog e ver a oportunidade de agendarmos uma conversa foi porque eu não cumpria “os mínimos olímpicos”! Não deu. Uma coisa é estar “benzinho”, outra coisa é estar suada, com os “bofes de fora”, desgrenhada (estava uma neblina matinal com “ar de poucos amigos”, daquelas em que o S. Pedro não está “para amar” o nosso cabelo) e o cabelo é um tema sensível na nossa equipa do Lisbon South Bay blog. Eu vou abrir o jogo, quando estamos a produzir os nossos conteúdos com recurso a imagem há um excesso de zelo com os cabelos, um(a) mais do que os outros e, por hoje, fico-me por aqui em relação a este desabafo.

Já não tenho idade para ficar nervosa com estas coisas, mas uma coisa eu aprendi, a confiança é meio caminho andado para o sucesso. E, não há confiança possível com um aspeto com o qual não nos sentimos à-vontade. Há que encarar as coisas com frontalidade: “Não há uma segunda oportunidade para criar uma primeira boa impressão.” Resta-me seguir o conselho do Joel: passar a correr maquilhada e de salto altos. Ou então não.

Nós aqui sabemos que o tempo encarregar-se-á de nos dar a oportunidade de falar com estas duas figuras que tanto admiramos. (Miguel, Jardel ouviram isto?).

E nós aqui esperamos por isso.
Nós aqui vamos ter isso.