Artigos

CaisGinjalLSB

O QUE É QUE ESTÁ PLANEADO PARA O CAIS DO GINJAL? Por Marlene Gaspar

gostamos 1

Perguntam bem, mas não a quem! Pois é, quem vai poder responder a esta pergunta (e outras que surgirem entretanto) não vou ser eu, mas sim o arquiteto Samuel Torres de Carvalho, autor do plano de pormenor da frente ribeirinha do Cais do Ginjal. E não pensem que vai ser preciso esperar muito, porque é já amanhã, às 18h, no átrio do Fórum Municipal Romeu Correia, em Almada que vai ser a inauguração da exposição: Plano de Pormenor sobre o Cais do Ginjal, esta frente ribeirinha única, situada entre o Jardim do Rio e o terminal fluvial de Cacilhas.

Esta acontecimento vai acontecer no âmbito do período de discussão pública do plano de pormenor do Cais do Ginjal, que decorre até 19 de fevereiro. Sim, porque todos temos uma opinião e se há altura que é oportuno é agora. Por isso, se queres fazer valer a tua opinião é agora o momento certo, ou melhor, amanhã, dia 6/2 às 18h.CaisGinjal

Participa, dá o teu contributo e ajuda a tornar o Cais do Ginjal em mais uma referência inegualável da nossa margem sul.

Nós aqui temos o Cais do Ginjal.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar
Fonte e foto: CMA

PassagemAno2017

BALANÇO DE 2017, CONVITE PARA 2018. Por Marlene Gaspar

celebramos 1

Ele há anos bons, menos bons, assim-assim, muita bons, extraordinários e, pontualmente, há aqueles anos que são do caralh#$$%$#”, “duca”, como dizem os amigos brasileiros quando algo é para lá de bom (dimunitivo da expressão anterior). É bombástico. Para mim, 2017 foi destes, foi “duca”. Foi acima das minhas expectativas e agora vou ter de gerir o 2018 poder ficar um bocadinho mais fraquinho, vá. Mas estou cá para isso, com todas as minhas forças e com algumas extras que consigo ir buscar.

AnoNovo2017

Foi um ano cheio de realizações e conquistas. Foi o ano de separar o trigo do joio e foi o ano em que consegui fazer mais checks em alguns pontos da minha bucket list. Sim, tenho uma, ambiciosa. E se esta diminui de um lado aumenta por outro. Irra! Por isso a palavra que elejo para 2017 é gratidão. Muita gratidão.

Infelizmente não foi um ano bom para muitas famílias e isso não me deixa feliz. As tragédias causadas pelo verão quente invadem muito dos meus pensamentos e a minha solidariedade está convosco e com todos os que passaram por momentos menos. A todos desejo muita força, fé e coragem.

Para o blog e como aqui já contei, foi um ano bom, como já contei aqui. Obrigada, mais uma vez a todos os que contribuem de alguma forma para o blog e não fiquem chateados comigo por nem sempre conseguir responder a todas as solicitações. Volto a dizer que estou aberta a dar espaço a quem tiver histórias e cenas boas da margem sul para contar e que pode assinar em nome próprio, que eu aqui gosto muito disso. A Célia Estrela e o Mário Nabais foram um bom exemplo disso. Foram os repórteres do LSBb no Sol da Caparica. Por isso podem enviar sugestões, fotos, os vossos textos que eu prometo que vejo, respondo e se estiver em linha com a o melhor que acontece na margem sul, publico com os devidos créditos. Sim, esse crivo, vai ter de acontecer, porque a ideia é seguir a linha editorial, e tem de se cingir ao que acontece na margem sul, que aqui não cabe tudo e mais um par de botas. Pelo menos, da parte que me toca.

Bom Ano para todos, margem sul e arredores. 2018 estou de braços abertos aqui para ti e quase pronta (ainda tenho que me ir aperaltar), para entrar como manda o figurino.

2017-2018

Nós aqui tivemos um ano “duca”.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar