Artigos

praia

6 EXTRAORDINÁRIAS DICAS PARA AS COLÓNIAS DE FÉRIAS NAS MELHORES PRAIAS DO MUNDO – AS DA COSTA DA CAPARICA, CLARO.

METEMO-NOS

Ele andava a fazer-se difícil e a querer mostrar-se de forma tímida. Mas, o sol quando nasce é para todos e com ele trouxe o “abençoado” calor. Sim, porque o sol quando aparece é como os golos de Ronaldo, passa a ser non-stop (assim, o esperamos. Eh, eh, eh). O que é preciso é acreditar. Nós gostamos é do verão e da seleção.

Nós, e tantos outros, porque a “correria” às praias não olha a idade, género, credo ou religião. E, nós aqui gostamos d’isso. Se ao fim de semana a praia é de todos, durante a semana a praia é “d’os melhores do mundo” – das crianças. Muitas escolas, inclusive da margem norte elegem a Costa da Caparica para fazer as colónias balneares com as crianças. E percebe-se, até o portal Cheapflights que escolheu as 10 melhores praias junto de cidades em todo o mundo atribuiu à Costa da Caparica o 5º lugar – onde figuram também South Beach em Miami (mais um vez o lado sul a dar cartas), Copacabana no Rio de Janeiro ou a praia de Barceloneta em Barcelona.

Esta alteração à rotina das crianças traz algumas preocupações e cuidados, mas ao vê-las sair da cama em qualquer queixume ou preguiça e com um ar de extrema felicidade, vale bem a pena! Fomos tratar dos preparativos ao Almada Forum, para que estejam prontíssimas para as melhores férias de sempre. Cada escola tem o seu “manual de instruções” e, há que segui-los, mas há coisas que ficam à “nossa consideração”:

#1 – COLOCAR O PROTETOR EM CASA

Apesar das escolas irem nos horários recomendados à praia, todos os cuidados com a proteção dos nossos filhos são poucos. Ainda em casa, tente espalhar o protetor de forma divertida e provoque o do it yourself, para que as crianças o façam com prazer e não como uma obrigação. Apesar de chegar à escola com este “serviço feito”, não se esqueça de colocar o protetor na mala para um reforço na praia. Na farmácia encontrámos várias soluções e “kits” para proteção integral das crianças, que até trazem uns “miminhos” que tornam mais fácil a tarefa dos “besuntar” de forma adequada e necessária.

farmacia

#2 – TER FATOS DE BANHO E BIQUINIS ALTERNATIVOS

A ida à água com os amigos é o momento de verdadeira satisfação para as crianças e de verdadeira preocupação para os adultos responsáveis. Apesar dos muitos truques (filas indianas, perímetros de segurança, apoio dos nadadores-salvadores, etc) que facilitam, não deixa de ser um momento de maior atenção.

Para conforto da criança o ideal é escolher uns calções de banho ou biquínis de secagem rápida e ter uma alternativa para trocarem e não irem com o calção molhado que pode ser desconfortável.

marpraia

#3 – TOALHA DE PRAIA PEQUENA E LEVE

Quando estão com os amigos sentar na areia significa menos tempo de brincadeira, por isso, a toalha serve para sentar no lanche a meio da manhã, secar e sacudir a areia do corpo. E é só. Como, geralmente, são as crianças que transportam os seus pertences, há que escolher toalhas apropriadas ao seu tamanho, que sejam de tecido mais fácil de secar e que pesem pouco no saco ou mochila para ser mais confortável.

#4 – SANDÁLIAS OU CHINELOS DE PLÁSTICO

Pode não se ser grande defensor deste uso de calçado, mas não há nada mais prático e rápido para chegar e sair da praia. Também é o melhor para o banho na escola para evitar escorregarem e servirem de proteção na transmissão/recepção de eventuais fungos e bactérias. Para o resto do dia poderão usar um calçado mais apropriado à prática de brincadeiras (ténis ou sandálias).

coloniabiquinis

#5 – LANCHEIRA TÉRMICA

Se o seu filho for responsável por levar o lanche, também deverá optar por uma mala leve, mas que seja térmica, ainda que os alimentos não sejam refrigerados, para proteger os alimentos. Na Smart Lunch encontramos soluções muito apetitosas.

lancheiras

#6 – PULSEIRAS DE IDENTIFICAÇÃO

As escolas habitualmente têm a “farda da praia” que permite uma mais rápida identificação e uma pulseira onde tem o número do colégio, que é algo que esperamos nunca vir a precisar, mas nada como estar preparado. Isto não invalida, que sejam registadas na PSP da zona geográfica onde pertencem para ter a pulseira identificadora a nível nacional, que é útil para além do tempo da colónia. Mais vale prevenir do que remediar.

saida praia
Aqui vou eu para a Costa,
Aqui vou eu cheio de pica,
De Lisboa vou fugir
Vou para o sol da Caparica.

Nós aqui temos as melhores praias e estamos preparados para elas.
Nós aqui temos isto.

do it yourself – fazerem sozinhos

Texto: Marlene Gaspar
Fotografias: Lisbon South Bay blog

MEETMINI bags

MEET MINI NA COSTA DA CAPARICA. VÍDEO E FOTOS.

andamos

O MEET MINI na Costa da Caparica foi um sucesso e o Lisbon South Bay blog não quis deixar de esta presente. Nós e as dezenas de participantes tivemos oportunidade de experimentar a nova geração MINI que fez as delícias de quem passou por lá. Ora vejam.

MEETMINICOSTA

MINI AMG Car – concessionário no lado sul.
E.N. 10 – Amora Seixal

Nós aqui temos MINI.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar
Fotografia: Zito Colaço

MEET MINI

MEET MINI NA COSTA DA CAPARICA COM CONCERTO

andamos

O MEET MINI na Costa da Caparica, por trás do restaurante o Barbas continua até ao fim do dia. Além de poderes sentar-te ao volante dos vários modelos, a MINI tem mais surpresas para ti.

A última #StayOpenSunsetSession do roadshow #meetMINI2016 é hoje na Costa da Caparica e está a cargo das rimas de ProfJam.

Screen Shot 2016-06-05 at 10.13.27

Mostra que és um verdadeiro MINIac e MEET MINI, porque as melhores relações são para sempre.

Sabe mais em www.meetMINI.pt, até já e BE MINI.

Nós aqui temos MEET MINI.
Nós aqui temos isto.

Texto: Marlene Gaspar
Fotografia de capa: Zito Colaço

ZARA

MARGEM SUL É TERRA DE PRAIA. OH YEAH.

METEMO-NOS

Um dos grandes cartões de visita da Lisbon South Bay é sem dúvida a praia. Nós aqui, temos praias com tudo o que se tem direito: bom tempo – venha ele; bom areal; bom mar – podia ser mais quente, podia, mas não era a mesma coisa; boas vistas – a todos os níveis, se é que nos entendem; boas esplanadas e bons restaurantes. É tudo isto e muito mais que nos atrai à nossa costa. #Fonte da Telha, #Costa da Caparica #S. João da Caparica, you name it!

O bom tempo que se fez sentir foi sol de pouca dura, por isso o que está para chegar tem de ser aproveitado até ao último raio e saborear a praia como se não houvesse amanhã. E, aqui entra um misto de gratidão pelo bom tempo e o pânico da exposição num minúsculo fato de banho ou biquíni!

O início do veraneio não deixa de ter este senão – o primeiro impacto de um corpito depois de um longo inverno ao ver-se destapado! Não quisemos entrar em “modo drama”, não é a “nossa praia”. Fomos ao Almada Forum com a missão de encontrar soluções de praia. Missão cumprida, fomos bem sucedidas. Logo, “não nos levem a sério, levem-nos a fazer compras.”!

Há uns anos a esta parte andamos mais “viradas” para os fatos de banho e são a melhor escolha para a piscina. São cada vez mais elegantes e acabam por ser muito versáteis e confortáveis. Não bronzeia a barriga, não, mas para isso usamos os biquinis. A Andreia da Calzedonia do Almada Forum, a quem desde já agradecemos a paciência e disponibilidade, entendeu logo a questão e apresentou uma “mão cheia de boas opções”. Ora vejam.

Fato de Banho

Seduzida pelo fatos de banho, ainda tive uma paixão à primeira vista por um biquíni que “me piscou o olho” assim que entrei na loja e me sussurrou que ia ser meu! É difícil contrariar olhares tão confiantes e decididos. Adoptei a postura de fácil – “se assim queres, assim será.” Para ajudar na argumentação, o “pequeno” tem uma toalha a “fazer pendent”. E, ainda por cima, é de secagem rápida, repele a areia e, ainda, tem uma “pochete” para ser arrumada. A loja tem uma campanha de reciclagem de biquínis. Entregamos um que já não usamos e temos um desconto até €5 na compra de um novo. Bom para o ambiente e para a carteira.

Achavam que era uma escolha meramente impulsiva? Não, connosco há sempre uma justificação racional (e se não há, criamos)!

Biquini

A Ericeira Surf Shop também foi uma paragem obrigatória. A Daniela que nos recebeu adiantou que estão a receber imensas novidades, mas já há muitas para “encher o olho”. Apaixonei-me por um biquíni Banana Moon. Tem uma mistura improvável de padrões que resulta na perfeição e muita cor, muito salero e um corte impecável. Claro que tive de espreitar as “griffes de praia”. Problema. Gostamos de tudo! Da túnica sofisticada ao calção e t-shirt básico. Oh!

Biquini

Continuando a nossa “Tour Soluções de Praia” fomos à Zara Home que tem sempre umas coleções específicas de praia para miúdos e graúdos. Sim, porque as crianças também têm direito e não têm o “senão” do início do verão, tudo lhes fica bem.

biquini criança

Adoro preto e branco, mas normalmente não é a combinação que escolho para a praia! A “montra” que segue derrubou logo esse (pre)conceito. O que não invalida outras opções…

ZARA

Bom, se começamos por dizer que a chegada do bom tempo trazia algum senão, já não nos lembramos qual é! (Ahahahaha)

ZARA

Obrigada Almada Forum.
Eu gosto é do verão…

Quanto a ti sol, só um pedido: “Please don’t go. Don’t gooooo away.”

Marlene Gaspar

Nós aqui temos as melhores praias.
Nós aqui temos isto.

you name it – é nomeá-las

 

IMG_1861

TODOS OS CAMINHOS FORAM DAR A FÁTIMA.

Screen Shot 2016-05-17 at 10.49.34

Há muitos anos que tinha na minha bucket list fazer uma peregrinação a Fátima, mas como outros desejos e objetivos foi sendo procrastinado, todos os anos dizia: – “para o ano é que é”. E este ano, foi.

O meu pai vai a pé a Fátima há 15 anos desde perto de Vila de Rei (mais precisamente da Freguesia da Fundada de onde é) com o mesmo grupo. Este ano, cerca de 15 dias antes perguntei-lhe se podia ir com ele. Senti-lhe um misto de surpresa, satisfação e preocupação do tipo “será que ela sabe no que se está a meter”, mas disse logo que sim.

Por vezes vou correr no paredão da Costa da Caparica, que é um dos meus percursos preferidos para isso, pela boa energia da praia (já dizia a Rita Deus) e pela extraordinária companhia do mar. No sentido Fonte da Telha para S. João da Caparica encontram-se setas que indicam o percurso: “Fátima”.

FÁTIMA

Foram-me inspirando e dando ainda mais vontade de fazer a peregrinação. Embora, houvesse vários grupos a sair da margem sul, queria fazer aquele percurso com o meu pai (ok, também reconheço que 68 km em dois dias é diferente de cerca de 160km em cinco). Mas, se acham que 68 km a pé em 2 dias se fazem com uma perna às costas, não. Faz-se com tudo às costas, porque ao fim de algumas horas a andar tudo assume um peso desmedido.

A peregrinação é muito mais que uma caminhada. É uma experiência verdadeiramente compensadora, verdadeiramente prazerosa, com sacrifício, mas onde entramos num estado de despejo tal que nos faz sentir muuuuito bem. Faz-nos ser melhores. Valorizamos o outro, nós próprios. O nosso grupo tinha 16 peregrinos e 2 acompanhantes no carro de apoio. Eu era a mais nova do grupo e a única “caloira”. Nem por isso era a que reunia as melhores condições (físicas, lá está) para fazer aquele percurso. Pela cara deles de “fazer isto é como ir uma hora ao ginásio”, fez-me concluir que eu estava em desvantagem. Para além do meu pai, conhecia uma ou outra pessoa e algumas pessoas de vista. Sem dúvida, que uma das melhores lições e recompensa da viagem foi a generosidade de todos eles.

Há tempo para tudo, andar, fazer exercício físico (este é o tempo todo), meditar, rezar, pedir, agradecer e sobretudo e aquele que mais valorizei o silêncio. Uma forma de silêncio connosco que jamais senti e, que tanto me preencheu.

Não falei com quase ninguém sobre ir fazer esta viagem, até porque foi decidida pouco antes e não senti essa necessidade. Alguns que souberam perguntaram se estava a cumprir uma promessa. Não fui com esse intuito, o que não me inibiu de pedir e sobretudo agradecer.

Cada quilómetro foi sentido, cada paragem ainda mais (custa à brava recomeçar a caminhar. Todos os músculos fazem-se sentir em forma de dor. E temos tantos. Tantos músculos e tantas dores!) Mas, tive muita sorte, os meus pés ficaram impecáveis (e eu que sofro de pé de atleta estava em pânico que ele desse o ar de sua (des)graça). O primeiro dia a chuva fez-se sentir intensamente, mas ninguém vai à espera de ir em passeio. O caminho faz-se caminhando e, passo a passo, foi o que fizemos.

A sensação de missão cumprida quando se chega ao santuário é uma satisfação difícil de explicar. No dia seguinte não me mexia, cada músculo fez-se notar de forma ainda mais dolorosa, mas foi sem dúvida a melhor 6ªf, 13 que passei, pelo menos da que tenho memória. Assim como há a boa energia da praia, há a boa energia deste feito. E, quando no grupo me perguntaram se queria repetir a experiência, sem hesitar disse que sim. Podendo, vou fazendo. Há muitos anos que não estava em Fátima no 13 de maio e adorei ter acesso ao “pacote completo” – a peregrinação, a procissão das velas e o “adeus” à Virgem Maria.

FÁTIIMA

Para mim uma vez peregrino para sempre peregrino, por isso quero agradecer ao grupo que me acolheu e espero um dia poder retribuir de alguma forma.

Já voltei a correr no paredão da Costa da Caparica. 8km. Dois dias depois de chegar. Aquelas setas a indicar “Fátima” ganharam outro sentido e fazem parte integrante da paisagem. Da minha paisagem. Quem sabe quando seguirei dali até lá…

Marlene Gaspar

Nós aqui, caminhámos para Fátima.
Nós aqui, temos isto.

 

lagoa-albufeira_1_750_2500

LAGOA DE ALBUFEIRA É PALCO DE WINDSURF, KITESURF E STAND UP PADDLE . 23 ABRIL

kitesurfamos 1

É já hoje que a Lagoa de Albufeira acolhe a apresentação oficial da Windriders – Associação Portuguesa de Desportos de Aventura, e do Windriders Tour 2016, constituído por seis provas de windsurf, kite e stand up paddle.

O circuito decorre entre junho e novembro, na Lagoa de Albufeira, Costa da Caparica e Barreiro, e está aberto ao público em geral.

A apresentação da Windriders conta com demonstrações de windsurf, kitesurf e stand up paddle.

Apareçam, o dia promete. Ao inscreverem-se podem realizar exame médico no ato de inscrição se pretender obter licença desportiva através da federação de Vela ou Surf.

Inscrição gratuita para os sócios. Valor de 15€ para não sócios.

Inscreva-se aqui.

Nós aqui temos desportos aventura.
Nós aqui temos isto.

lufinha

KITESURF BIG AIR AWARD NA COSTA DA CAPARICA. 23 MARÇO.

kitesurfamos 1

O Caparica Surf Fest é muito mais que um festival de música. Para além dos grandes concertos e surf, hoje vai ter mais um grande momento – o Kitesurf Big Air Award. Os voos em competição começam às 16h.

A partir das 15h começa o aquecimento oficial dos riders na Praia do Dragão e às 16h inicia a competição, já na Praia do Paraíso! Mas, podem chegar mais cedo, há muitas atividades disponíveis no Surf Fest com entrada gratuita.

kitesurfing-6

Contamos com a vossa presença e com a do vento, para ser mais uma prova de sucesso.

Nós aqui temos Kitesurf Big Air Award.
Nós aqui temos isto.

12722676_1543375065961372_392531716_o

PRIMEIRO MUSEU DE SURF É NA COSTA DA CAPARICA.

aplaudimos

O primeiro Museu de Surf em Portugal é na Costa da Caparica e vai ser inaugurado já este mês, no dia 26 de Março, para fechar com chave de ouro o Caparica Surf Fest e coincide com a prova de WSL Junior Pro JQS.

E a inauguração vai ser de arromba. A tomar nota:

Local: Praia do Dragão Vermelho

Dia | Hora: 26/3 entre as 13h e as 17h

Evento: desfile com pranchas, dentro e fora de água, de diversas décadas (dos anos 60 aos anos 90). A festa conta com a participação de alguns dos mais antigos surfistas do país, tais como Pedro Lima, João Boavida e João Moraes Rocha, entre muitos outros convidados da nova geração, como o Tiago Pires e o Vasco Ribeiro.

A ideia surgiu de um grupo de amigos que tem a paixão do surf e que achou que este museu seria uma forma de divulgar e preservar a história desta modalidade, referiu Filipe Batista, um dos mentores do projeto e sócio fundador da recém-criada Associação da História e do Museu do Surf.

Neste museu podemos encontrar fotografias, pranchas e fatos vintage, troféus, revistas antigas, com especial destaque para o surf nacional, mas sem ignorar o material trazido por surfistas estrangeiros, que eram experimentados pelos “nossos” surfistas.

12443720_1543375109294701_734178342_o

Filipe Batista conta que há muitas fotografias, pranchas antigas e pranchas recentes que marcam por serem inovadoras, temos uma quilha especial (uma Starfin) com uma dedicatória do surfista Cheyne Horan, temos fatos antigos, troféus, cartazes de provas incluindo o cartaz do primeiro campeonato nacional na Ericeira, realizado na década 70. Mas a equipa continua a reunir peças, por isso quem quiser e tiver material para contribuir envie um email para o endereço ahmsurf@gmail.com com a descrição do que têm disponível.

E perguntam vocês: Onde vai ser o Museu?

E, nós respondemos:

– Vai ser:

Av. General Humberto Delgado, nº 47, na Costa da Caparica, 1.º andar da loja de surf do Lufi. E mais uma Boa Notícia – a entrada no Museu será gratuita! De que é que estão à espera?

Nós aqui temos o Primeiro Museu do Surf.
Nós aqui, temos isto.

Fotografias gentilmente cedidas por Helio Caldeira Jorge
Fonte: www.boasnoticias.pt

caldeirada-de-peixe

NÓS AQUI, TEMOS CALDEIRADAS. MARÇO.

degustamos

Nós aqui temos caldeiradas daquelas em que queremos estar “metidas”, caldeiradas das boas, que quanto mais “espécies” entram, mais apetece saborear.

Ora comecemos pela caldeirada de Sesimbra. E “quem” é que se mete nisto? O tamboril, o safio, tremelga e pata-roxa, ou caneja, como é conhecida em Sesimbra. Estes são os peixes indispensáveis na Caldeirada “À Pescador”, uma referência na gastronomia sesimbrense. Mas há quem lhe junte outras espécies capturadas pela frota local.

Antigamente, o peixe era apanhado no próprio dia e não eram raras as ocasiões em que algumas espécies mais nobres, como o cherne ou a lagosta, entravam na receita. As mãos fortes e calejadas que empatavam o anzol, recolhiam e amanhavam o pescado eram as mesmas que elaboravam delicadamente a melhor caldeirada e a irresistível massa confecionada com o caldo.

Para dar o devido protagonismo a este prato típico e às espécies capturadas pela frota sesimbrense de 24 a 27 de março ocorre a iniciativa Caldeiradas de Sesimbra. Sesimbra é Peixe, por isso não podia faltar a caldeirada.

Os restaurantes interessados em participar no evento podem inscrever-se até 4 de março. A ficha de inscrição, disponível aqui (http://www.cm-sesimbra.pt/frontoffice/pages/1077?news_id=4720),

pode ser entregue pessoalmente ou enviada para a Câmara Municipal de Sesimbra, Gabinete de Apoio às Pescas e Ruralidade, Rua da Cruz n.º 24 – A, 2970-735 Sesimbra, com o telefone 21 228 87 14, ou para o e-mail pescas.ruralidade@cm-sesimbra.pt.

Já a Costa da Caparica iniciou o concurso de Caldeiradas à Pescador, um certame já tradicional da Costa da Caparica. Realiza-se há 32 anos, mas devido a uma mudança no título da competição, esta é a 12ª edição do Concurso tal como é denominado agora. Esta iniciativa pretende promover o turismo local através de uma Confraria que estará prestes a ser lançada. O concurso termina a 20 de março e os Restaurantes a Concurso onde pode saborear a caldeirada à Pescador são:

– Cabana do Pescador
– Horizonte (Ever Caparica hotel)
– O Camões
– O Golfinho
– OHHH TC
– Praia do Castelo
– Só grelhados
– Põe-te Fino II
– Tarquinio

Meta-se em caldeiradas e venha à Lisbon South Bay saborear esta iguaria.

Nós aqui temos Caldeiradas.
Nós aqui temos isto.

SOL DA CAPARICA

FESTIVAL SOL DA CAPARICA. 11 A 14 DE AGOSTO.

ouvimos

E, já estão anunciadas as datas para o Festival Sol da Caparica 2016 – na Costa de Caparica.

Aqui vou eu para a Costa
Aqui vou eu cheia de pica
De Lisboa vou fugir
Vou para “o Festival Sol da Caparica”…

O Festival regressa no nosso querido mês de agosto e vai decorrer entre os dias 11 e 14 desse mês. Não interessa de onde vai fugir, o que interessa é que venha o Festival Sol da Caparica.

O cartaz ainda não foi divulgado, mas a organização garante que o DNA do festival mantém-se e mais uma vez a lusofonia terá o papel principal.

Esta ano será a 3ª edição do festival “O Sol da Caparica” que recebeu entre 65 e 70 mil pessoas nas edições anteriores.

Este grande festival da nossa margem sul acompanha a música com o sol, como o próprio nome convida, praia e surf, ou seja argumentos de peso para ser um sucesso.

Aguardamos então pelo cartaz e o preço dos bilhetes, mas para já reservem já estas datas. Nós aqui vamos ter música, sol, praia, surf e muito mais.

Nós aqui, temos Festival Sol da Caparica!
Nós aqui, temos isto.

Fotografia: D.R.