Artigos

lost-child 1

O QUE ENSINAR AO SEU FILHO PARA QUANDO SE PERDER.

Helena

De repente está uma em vez de duas crianças. Começo a entrar em pânico à medida que vou olhando em volta. Eu ainda agora o vi, há um segundo atrás. Caminho rapidamente e ele não está em lado nenhum. Será que o meu maior medo se tornou realidade? Perdi o meu filho?

Infelizmente quase todos os pais de crianças pequenas já vivenciaram estes segundos de pânico, que parecem horas intermináveis. No supermercado, na praia, no meio da multidão ou no meu caso, no meio de uma pacata e espaçosa loja, quando a minha filha de 3 anos decidiu esconder-se entre as roupas penduradas e aguardar calmamente que fosse encontrada.

É importante que os pais percam, e mais tarde ganhem, algum tempo a pensar o que deverão ensinar aos seus filhos no caso de se perderem.

perder criança

Dependendo da idade do seu filho, poderá adequar a informação que quer que o seu filho detenha quando efetivamente estiver perdido.

Ele precisa saber o nosso número de telefone
Aprender o nosso número de telefone para que nos possa ligar ou pedir a um adulto para o fazer. Algumas crianças são demasiado pequenas para conseguirem decorar o número, mas podemos sempre arranjar uma pulseira onde pode estar inscrito o número.

Ele precisa saber o nosso primeiro e último nome
Muitas crianças quando se perdem são interpeladas por um adulto, “ Como se chama a tua Mamã?” e a criança responde “Mamã”. Como tal deveremos insistir para que saiba o nosso nome e apelido.

Estas são as minhas sugestões para ensinar a uma criança em caso de se perder:

1. Fica onde estás
Andar às voltas pode levar-te para longe do sítio onde te vimos a última vez. Quanto mais te afastares mais difícil será encontrar-te.

2. Procura um pai ou mãe com filhos.
Encontrar um pai com filhos é importante. Um adulto sem crianças pode não ter o mesmo sentido de urgência. Também não terão a mesma experiência com crianças pequenas aflitas ( para além de que, nem todos os adultos são de confiança). As meninas têm mais tendência para procurar uma mãe mas convém sempre lembrar que um pai com crianças também pode ser muito útil.

3. Grita o nosso nome
Gritar pelo nosso nome, ou nome completo, não é Mamã, nem Papá, vai ajudar a chamar a nossa atenção. Nós normalmente identificamos as vozes dos nossos filhos, mas ouvir chamar o nosso nome tornará as coisas mais fáceis num ambiente ruidoso ou cheio de gente.

Sempre que vá a um local novo ou cheio de gente, convém rever as regras com os seus filhos. Se estiver num sítio tipo EuroDisney, deverá rever estas regras todos os dias antes de entrar.

Espero que ninguém se perca, mas ficamos todos mais confiantes quando já sabemos o que fazer.
Partilhe connosco as suas experiências. Já lhe aconteceu? Quais são as suas estratégias?

Uma boa semana para vocês e bons passeios,
Helena Gonçalves Rocha

Nós aqui educamos para isto.
Nós aqui temos isto!

Contactos
helenagoncalvesrocha@gmail.com
Miúdos e Graúdos, Clínica Médica
Av. Pinhal da Aroeira, Lt 562
Aroeira Shopping area Lj 18
Herdade da Aroeira
2820-566 Charneca da Caparica
TEL.: 212 977 481

1420840749_facebook-512

caça ao tesouro

A PÁSCOA E OS RITUAIS FAMILIARES.

Helena

Não havia nada mais certo, assim que se iniciavam as férias escolares aí íamos nós rumo ao alto Minho, para a “terra” dos pais, usufruir de todas as tradições da Páscoa.

A mais apreciada, era sem dúvida, o beijar da cruz. De casa em casa, lá íamos, o grupo de primos e amigos, receber o Sr. Padre e toda a sua comitiva que alegremente entravam na casa de cada um, anunciando “Aleluia, Aleluia, Aleluia”, acompanhado de salpicos de água benta. De seguida, a Cruz de Cristo era oferecida a cada um dos presentes para que a beijasse, recordo-me como se fosse hoje, como a Cruz era enorme para mim e como gentilmente se baixavam para que eu escolhesse onde iria beijar, nos pés, nas mãos (era uma decisão difícil, numa altura em que pouco se pensava em doenças e questões de higiene). O ritual terminava com o dono da casa a oferecer um ovo, que era depositado e transportado num requintado balde de prata.

Os miúdos, de seguida lançavam-se para a mesa dos doces, enchendo os bolsos de amêndoas, provando as especialidades da casa, desde o Pão de Ló, à Rosca Mulata da Tia. Os mais afoitos ainda conseguiam bebericar um cálice de vinho do Porto e fugir rapidamente para a casa seguinte, onde todo o ritual se voltava a repetir. No final, faziam-se contas, quem conseguiu beijar mais, que doces comemos e o relato de todas as peripécias vividas.

caça ao tesouro

Os rituais familiares são momentos que nos permitem viver e fortalecer ligações afetivas, servindo como recurso fundamental para a manutenção e fortalecimento da família. Os rituais são expressos de forma diferente em cada família, com cada uma a descobrir e a construir os seus, moldando-os à sua imagem.

Devido ao seu carácter repetitivo, os rituais constituem um elemento estabilizador e reconfortante para os membros das famílias, contribuindo para o estabelecimento e a preservação de um sentido coletivo, ou seja, da identidade familiar.

Todas as Páscoas eu sabia o que iria acontecer… e a segurança que isto me trazia…

Assistimos atualmente a uma perda progressiva das rotinas e rituais familiares, estando muitas vezes as famílias desprovidas de um fio condutor, afastadas dos elementos da família alargada.

O reatar de rituais familiares, ou mesmo a criação de novos rituais que façam sentido à família podem inverter esta situação e voltar a dar o fio condutor abalado, tornando-a mais coesa e autónoma.

Confesso que adoro rituais e adequá-los à minha família já quase se tornou um vício. Todos sabem o que acontece nas manhãs de Domingo. Todos sabem que na Noite de Natal se joga o jogo da Cadeira, os mais novos e os mais velhos. Todos sabem como os aniversariantes são acordados logo pela manhã. Enfim, são muitos os rituais já criados, mas muitos mais podemos inventar, na certeza que são estas memórias, estas certezas, esta segurança que podemos transmitir aos nossos filhos e quem sabe possam transmitir aos netos.

Os rituais são parte essencial da vida familiar, permitem apaziguar ansiedades, permitem tratar a sua Família como única e criam História e Memória.

Que tal aproveitar esta época festiva e iniciar uma nova tradição? Quem sabe, esconder ovos pela casa ou pelos caminhos circundantes, e partirem todos à Caça dos Ovos?

Para todos Vós uma Santa Páscoa e gozem a companhia uns dos outros!
Helena Gonçalves Rocha

Nós aqui educamos para isto.
Nós aqui temos isto!

Contactos
helenagoncalvesrocha@gmail.com
Miúdos e Graúdos, Clínica Médica
Av. Pinhal da Aroeira, Lt 562
Aroeira Shopping area Lj 18
Herdade da Aroeira
2820-566 Charneca da Caparica
TEL.: 212 977 481

1420840749_facebook-512

FullSizeRender-4

VAMOS À CAÇA DO URSO!

ASSINATURA 2 1

Sou fã incondicional de literatura infantil, e acredito que, a leitura em voz alta desde muito cedo, se traduz numa rotina de carinho, atenção partilhada e aventuras vividas. À medida que vão crescendo vão tomando atenção aos pedacinhos de letras, as palavras, e aprendem que aqueles pedacinhos, quando decifrados lhe podem abrir as portas dos sonhos.

Convido-vos hoje a conhecer um dos meus livros especiais: “Vamos à Caça do Urso”, e quem escreveu? Michael Rosen, mas não foi ele que fez os desenhos, essa foi outra senhora, com um nome parecido com o meu, Helen Oxenbury e quem mandou fazer muitos livros iguais, foi a Editora Caminho, já há muito tempo, em 1989. Assim costumo apresentar os livros às crianças.

Vamos à caça do Urso, conta-nos a história de uma família (um pai, 4 miúdos e um cão) que um dia decidem ir caçar um urso. Estão determinados (“Vamos à caça do Urso), confiantes (“Vamos caçar um dos grandes”), otimistas (“Que belo dia!”) e corajosos ( “Não temos medo”).

No caminho encontram todo o tipo de obstáculos, no entanto, “não podemos passar por cima, não podemos passar por baixo” mas não têm outro remédio senão “temos de atravessar” e, por sorte, todos eles fazem barulhos interessantes. Estes obstáculos incluem erva alta e ondulante (reste, restolha), um rio fundo e frio (chape, chapinha), uma lama grossa e pegajosa (pate, patinha), uma floresta grande e escura ( trope, tropeça), um nevão que gira e rodopia (Uuuh, uuuuh) e finalmente, uma caverna estreita e soturna (Pé ante pé).

À espera deles, no fundo da caverna, está aquilo que eles menos esperavam encontrar. Um Urso! Eles viram-se e correm muito, tendo que fazer todo o caminho de volta e passar por todos os obstáculos na ordem contrária, e fazendo todos os barulhos engraçados novamente, mas muito mais depressa uma vez que têm o urso a correr atrás deles. Chegam à porta de casa, à sua cama, debaixo dos cobertores e prometem nunca mais voltar a ir à caça do urso.

Este será com certeza um dos meus livros preferidos para ler aos mais pequenos, cheio de ritmo, de repetições, de barulhos estranhos, que facilmente e desde muito cedo os pequeninos conseguem acompanhar.

É um livro que deve ser lido com muita expressão e entusiasmo e que pode dar lugar a muitas atividades depois da leitura. Desde irmos literalmente à caça do urso, com todo o movimento que isso implica, até reproduzirmos somente a parte dos sons, ou uma das minhas propostas mais utilizadas, podermos construir um livro desenhado pela criança que pode ser lido primeiro para a frente e depois na ordem inversa.

Espero que vos tenha entusiasmado e Boas leituras!

Nós aqui educamos para isto.
Nós aqui temos isto!

Contactos
helenagoncalvesrocha@gmail.com
Miúdos e Graúdos, Clínica Médica
Av. Pinhal da Aroeira, Lt 562
Aroeira Shopping area Lj 18
Herdade da Aroeira
2820-566 Charneca da Caparica
TEL.: 212 977 481

1420840749_facebook-512

Tiago Brandão Rodrigues

PRIMEIRA INTERVENÇÃO PÚBLICA DO MINISTRO DA #EDUCAÇÃO É NA BAIXA DA BANHEIRA

educamos para 1

O novo ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues acaba de comunicar que até ao final da semana vai divulgar o tipo de avaliação que irão substituir os exames nacionais do 4.º ano, cujo fim foi aprovado no mês passado por todos os partidos de esquerda no Parlamento.

A escolha do local onde resolveu fazer esta comunicação não foi indiferente. A decisão recaiu na Escola Secundária da Baixa da Banheira, localizada no bairro do Vale da Amoreira, no concelho da Moita. Este estabelecimento de ensino é o caso típico de uma escola que luta contra as adversidades do meio. Os pais dos alunos têm em média oito anos de escolaridade, quase metade das famílias são apoiadas pela ação social escolar e as pequenas conquistas começam muitas vezes por convencer os alunos a entrar da escola e nas salas de aula, admite o diretor José Lourenço.

O Ministro justificou esta decisão: Viemos aqui porque é preciso conhecer a escola pública que temos, ouvir os professores, identificar os desafios. Ao contrário da ideia de facilitismo, esta é uma escola onde existem imensas exigências e preocupações”, enaltecendo a importância da “escola pública” e do “serviço nacional de educação” como motores da “mobilidade social”. Reforçou a necessidade do combate ao abandono escolar e a promoção do sucesso como as suas “prioridades” para o mandato.

Tiago Brandão Rodrigues apresentará também as suas ideias para os restantes anos de escolaridade, ou seja, a “solução integrada de avaliação e aferição”, que inclui o tipo de testes a realizar no 6.º e no 9.º anos e ainda a avaliação na disciplina de Inglês, que é atualmente feita através dos testes de Cambridge.

No caso do 4.º ano, onde a avaliação muda já este ano letivo, a alternativa será a recuperação das provas de aferição, que não contam para a nota final. Ou seja, tanto podem ser aplicadas ao universo dos alunos como a uma amostra. Ambos os modelos já foram testados anteriormente.

As metas curriculares também estão a ser avaliadas. Estas consistem num descritivo dos objetivos detalhados a atingir pelos alunos em cada disciplina e ano de ensino. O tema será discutido também no final da semana na Assembleia da República.

Tiago Brandão Rodrigues destaca a importância de “competências transversais”, das “artes, do desporto e das ciências experimentais”.

Nós aqui, temos Prioridade na Educação.
Nós aqui temos isto.

Fonte: Expresso

FullSizeRender

“CUIDADO, OLHA QUE CAIS!”

ASSINATURA 2 1

Os benefícios do risco nas brincadeiras das crianças

“Cuidado, olha que cais!”, ”Pára quieto um bocadinho…”, “Não vais por ai que é perigoso!”

Não me recordo quando começou tudo isto…
Tive a sorte de ter as pernas sempre marcadas de nódoas negras e arranhões. Subir as árvores e quase cair, inventar estratégias para chegar mais alto. Percorrer todos os muros altos, em grande equilíbrio, a toda a velocidade, no caminho que percorria a pé para casa, depois da escola, em plena cidade.
Quando arriscam, as crianças aprendem a lidar com os fracassos, a tentar novamente… Aprendem a responsabilizar-se pela sua própria segurança e integridade. Jamais conseguiremos “almofadar” o mundo para que os nossos filhos não se magoem, desde cedo podemos proporcionar-lhe experiências em que possam testar os seus limites, em que possam tentar de novo, encontrar soluções de forma autónoma. E os pais onde estão? Preferencialmente, brincando também, mostrando que cair e voltar a levantar é possível, que não conseguimos tudo à primeira tentativa, mas que tentar outra vez nos pode dar um incrível prazer e quando conseguimos podemos celebrar em conjunto!

Helena Gonçalves Rocha

Nós aqui educamos para isto.
Nós aqui temos isto!

Contactos
helenagoncalvesrocha@gmail.com
Miúdos e Graúdos, Clínica Médica
Av. Pinhal da Aroeira, Lt 562
Aroeira Shopping area Lj 18
Herdade da Aroeira
2820-566 Charneca da Caparica
TEL.: 212 977 481

criancas

A HELENA AQUI, ESCREVE SOBRE ISTO

ASSINATURA 2 1

A Helena Gonçalves Rocha é nascida e criada na margem sul e claro está, continua a viver e a trabalhar aqui, na South Bay.
A Helena é mãe de um “menino” de 16 anos e de uma menina de 11, que todos os dias lhe ensinam milhões de coisas. É licenciada em Educação Especial e Reabilitação, Terapeuta Familiar e tem muito trabalho desenvolvido na área da Intervenção Precoce na Infância. A sua experiência no apoio às famílias e mediação/formação da relação com os diferentes contextos onde a criança está inserida, tem mais de 20 anos. NÓS AQUI temos a sorte da Helena partilhar no nosso blog os seus conselhos, dicas e opiniões numa área que é tão importante e que nós queremos privilegiar – a Educação, porque – O melhor do mundo são as crianças. Fernando Pessoa.

Nós aqui educamos para isto.
Nós aqui temos isto!

Contactos
helenagoncalvesrocha@gmail.com
Miúdos e Graúdos, Clínica Médica
Av. Pinhal da Aroeira, Lt 562
Aroeira Shopping area Lj 18
Herdade da Aroeira
2820-566 Charneca da Caparica
TEL.: 212 977 481

abqeppzsj8hm7ym2js8ifrdla

NÓS AQUI, TEMOS ESCOLHAS SAUDÁVEIS.

Os estados membros da União Europeia celebram hoje o Dia Europeu da Alimentação e Escolhas Saudáveis e da Cozinha Saudáveis. Nós aqui apoiamos a iniciativa que procura consciencializar a importância de uma alimentação saudável nas crianças e travar o crescimento da obesidade infantil.

Nós aqui não temos por princípio ser fundamentalistas. Queremos aproveitar ao máximo o melhor da Lisbon South Bay, mas também gostamos de passear, frequentar, experimentar, trabalhar, degustar “além-fronteiras”. E um dos grandes pontos a favor da margem sul é estar ao lado da cidade maravilhosa que é a nossa capital.

Captura de ecrã 2015-11-10, às 13.42.14

Ficamos felizes por saber que as escolas daqui encorajam as nossas crianças numa escolha de alimentação saudável, mas não proibitiva. Ou seja, há dias em que as gomas, as batatas-fritas, os snacks e outras iguarias que fazem as delícias das crianças são permitidas, tudo com conta peso e medida. O fruto proibido é o mais apetecido, mas  há momentos que justificam “deslizes”. Momentos esses que devem ser compensados por exercício físico e uma alimentação maioritariamente saudável.

Como nunca é demais relembrar, recomendamos umas dicas que ajudam a conseguir alimentação equilibrada:

. tomar o pequeno-almoço todos os dias;

. comer de 3 em 3 horas;

. comer 5 peças de fruta/legumes por dia;

. beber uma boa quantidade diária de água;

. usar menos sal e açúcar nas refeições.

 

Nós aqui apoiamos escolhas saudáveis.
Nós aqui temos isto.

Captura de ecrã 2015-11-9, às 22.36.59

NÓS AQUI, JOGAMOS AO TRAVA-LÍNGUAS.

jogamos a isto educacao 1

Os trava-línguas são jogos de palavras que nasceram da cultura popular que terão servido para treinar discurso, muitas vezes utilizados na terapia da fala. Estes jogos consistem em dizer com clareza e rapidez versos, sílabas ou palavras difíceis de pronunciar.

Este dia celebra-se no segundo domingo de novembro e pretende melhorar a enunciação, impressionar os amigos e divertir-se. E como nós temos uma designação que às vezes parece “trava-línguas”, temos o prazer de vos convidar a divertirem-se e dizer Lisbon South Bay blog repetidas vezes. Percebem porquê?

Estamos a treinar para que isto nos saia cada vez melhor, mas o grande vencedor até agora é o Nelson Freitas que devido à sua facilidade com a língua inglesa pronuncia Lisbon South Bay blog de forma invejável.

Nós aqui precisamos destes jogos e deixamos aqui algumas sugestões de trava-línguas populares portugueses para se divertir e juntar-se a nós:

O tempo perguntou ao tempo quanto tempo o tempo tem, o tempo respondeu ao tempo que o tempo tem tanto tempo quanto tempo o tempo tem.

Num prato de trigo tragam três tigres. Três tigres tragam trigo num prato dum trago. Tragam o trigo aos três tigres que eles tragam o trigo no prato. Tragam o trigo aos três tigres que eles tragam o trigo no prato dum trago.

O rato roeu a rolha da garrafa do rei da Rússia. O raio do rato roeu a rolha do rei da Rússia. O raio do rato roeu a rolha da garrafa de rum do rei da Rússia. O raio do rato roeu a rolha redonda da garrafa de rum do rei da Rússia. O raio do rato roeu a rolha redonda da garrafa de rum de Roberto, do rei da Rússia. O raio do rato roeu raivoso a rolha redonda da garrafa de rum de Roberto, do rei da Rússia. O raio do rato roeu raivoso e rápido a rolha redonda da garrafa de rum de Roberto, do rei da Rússia. O raio do rato roeu raivoso e rápido a rolha redonda da garrafa de rum de Roberto, o ruidoso rei da Rússia.
– Raio! – ralhou o rei. – rato rapace!
– Raça! – rugiu o rato. – é rija a rolha!

Nós aqui temos Lisbon South Bay blog, Lisbon South Bay blog (mais rápido), Lisbon South Bay blog, Lisbon South Bay blog (ainda mais rápido), Lisbon South Bay blog. Nós aqui temos isto.