Artigos

Captura de ecrã 2015-01-2, às 12.56.12

LISBON SOUTH BAY BLOG DITO PELAS CRIANÇAS

brincamos 1

Tem dificuldade em pronunciar “Lisbon South Bay blog”?
Imagine eles.

Experimente você mesmo esta sugestão de trava-línguas. Consegue dizer melhor?

Nós aqui temos brincadeiras com as crianças.
Nós aqui temos isto.

Agradecimento ao Colégio Arte Mágica na Verdizela, local onde foi gravado o vídeo.

empreededorismo

SER #EMPREENDEDOR É PRECISO.

apoiamos educacao 3

Raramente as ideias surgem de repente da cabeça de uma só pessoa. Elas são resultado de várias conexões e levam algum tempo para ficarem prontas. O lado bom é que o ambiente em que vivemos nunca foi tão fértil para isso.

Steven Johnson

Ser ou não ser empreendedor eis a questão.

Sempre admirei as pessoas empreendedoras, que vão à luta, que fazem acontecer coisas. E sempre achei ser uma delas, mas até um certo limite.

Quero com isto dizer que sempre me empenhei nos projetos dos quais fiz parte. O brio profissional e o sentimento de não falhar felizmente sempre me acompanharam e vão continuar a acompanhar. Está no DNA. Mas pensar num negócio próprio, arriscar em criar algo inovador, estava distante. Sempre foi uma coisa que eu achava que era para os outros.

Confesso que sempre tive alguma inveja desses outros, de quem arriscava, deixava tudo, saía da zona de conforto e se atravessasse no desconhecido. Mas, isso era para os outros. Não era para mim.

Por isso também fui ficando na inércia e no marasmo de me deixar ir nas coisas que me aconteciam. Se estava feliz, sim, eu achava que sim e portanto não sofria com isso.

Mas, um dia essa comodidade de quem não tem de se preocupar com isso deixou de acontecer e “apareceu-me à minha porta”. E, foi “mal educada”, porque não se vai a “casa de ninguém sem avisar”! Parou tudo! Tinha acabado de saber que tinha de procurar emprego por necessidade e não porque queria mudar (não que esta situação não fosse verdade, mas a inércia e a ilusão de conforto, aguardava que essa oportunidade viesse ter comigo e, essa sim, eu até não ficaria ofendida se fosse “mal educada” e, entrasse sem avisar!).

Pois é, a perspetiva muda. E nós também temos de mudar. Somos obrigados e forçados a isso. Se essa mudança é rápida? Leva o tempo que é preciso. É um processo. Um processo que atravessou várias fases e que se foi desenhando paulatinamente até ganhar uma forma consistente.

E é aí, que um culminar de situações e acontecimentos nos obrigam a pensar de forma diferente e a arriscar. A Catarina e o Joel são “o lado que eu admirava” e foram inspiradores quando nos juntámos. O universo tem destas dádivas e estou-lhe grata. Grata por as coisas não nos caírem de mão beijada, mas as circunstâncias colocarem-nos à prova e quando essa é superada voltam a dar-nos “borboletas na barriga”, a escarrapachar um sorriso de orelha a orelha, daqueles em que não conseguimos desfazer, que parece que o músculo ficou preso e na nossa cabeça só ecoa Yes, Yes, Yeeeeeeeeees.

empreededorismo

Foi assim que o Lisbon South Bay blog surgiu nas nossas vidas e é assim que o temos recebido. Somos gratos por isso.

Nós aqui empreendemos n’isto.
Nós aqui temos isto.

JRR_8515v2_JR

ENTREVISTA COM #ORLANDO SANTOS

#SIGLA 1

com ORLANDO SANTOS

Orlando Santos, músico que vive na South Bay.
O Orlando é apaixonado por música desde a infância e para além de compositor é uma das melhores vozes masculinas nacionais. Admirador da cultura jamaicana, Orlando Santos mergulha em territórios próximos do reggae, rock e música soul. É um dos raros músicos em Portugal a tocar de forma exímia a slide guitar. Foi-lhe oferecida uma pelo Ben Harper, quando fez o concerto de abertura deste. As suas composições são marcadas por palavras de esperança e amor, onde se destacam a preocupação pela Natureza ou a observação das transformações sociais.

O Lisbon South Bay blog foi ao seu encontro, no Lorosae nas Praias de S. João, onde com ele tocámos neste blog.
Vamos então ouvir… isto!

O Lisbon South Bay blog agradece ao Lorosae Sol Nascente:

Captura de ecrã 2015-10-24, às 19.19.50

FullSizeRender

“CUIDADO, OLHA QUE CAIS!”

ASSINATURA 2 1

Os benefícios do risco nas brincadeiras das crianças

“Cuidado, olha que cais!”, ”Pára quieto um bocadinho…”, “Não vais por ai que é perigoso!”

Não me recordo quando começou tudo isto…
Tive a sorte de ter as pernas sempre marcadas de nódoas negras e arranhões. Subir as árvores e quase cair, inventar estratégias para chegar mais alto. Percorrer todos os muros altos, em grande equilíbrio, a toda a velocidade, no caminho que percorria a pé para casa, depois da escola, em plena cidade.
Quando arriscam, as crianças aprendem a lidar com os fracassos, a tentar novamente… Aprendem a responsabilizar-se pela sua própria segurança e integridade. Jamais conseguiremos “almofadar” o mundo para que os nossos filhos não se magoem, desde cedo podemos proporcionar-lhe experiências em que possam testar os seus limites, em que possam tentar de novo, encontrar soluções de forma autónoma. E os pais onde estão? Preferencialmente, brincando também, mostrando que cair e voltar a levantar é possível, que não conseguimos tudo à primeira tentativa, mas que tentar outra vez nos pode dar um incrível prazer e quando conseguimos podemos celebrar em conjunto!

Helena Gonçalves Rocha

Nós aqui educamos para isto.
Nós aqui temos isto!

Contactos
helenagoncalvesrocha@gmail.com
Miúdos e Graúdos, Clínica Médica
Av. Pinhal da Aroeira, Lt 562
Aroeira Shopping area Lj 18
Herdade da Aroeira
2820-566 Charneca da Caparica
TEL.: 212 977 481

criancas

A HELENA AQUI, ESCREVE SOBRE ISTO

ASSINATURA 2 1

A Helena Gonçalves Rocha é nascida e criada na margem sul e claro está, continua a viver e a trabalhar aqui, na South Bay.
A Helena é mãe de um “menino” de 16 anos e de uma menina de 11, que todos os dias lhe ensinam milhões de coisas. É licenciada em Educação Especial e Reabilitação, Terapeuta Familiar e tem muito trabalho desenvolvido na área da Intervenção Precoce na Infância. A sua experiência no apoio às famílias e mediação/formação da relação com os diferentes contextos onde a criança está inserida, tem mais de 20 anos. NÓS AQUI temos a sorte da Helena partilhar no nosso blog os seus conselhos, dicas e opiniões numa área que é tão importante e que nós queremos privilegiar – a Educação, porque – O melhor do mundo são as crianças. Fernando Pessoa.

Nós aqui educamos para isto.
Nós aqui temos isto!

Contactos
helenagoncalvesrocha@gmail.com
Miúdos e Graúdos, Clínica Médica
Av. Pinhal da Aroeira, Lt 562
Aroeira Shopping area Lj 18
Herdade da Aroeira
2820-566 Charneca da Caparica
TEL.: 212 977 481

BYZZ.002

NÓS AQUI, VESTIMOS ISTO.

vestimos 1

A equipa do Lisbon South Bay blog “traz às costas” uma rica experiência em comunicação e imagem. A Catarina tem uma longa carreira em design (responsável pelo grafismo de inúmeras publicações), o Joel é fotógrafo (sendo que a moda lidera o ranking do seu portfólio) e eu abraço a comunicação e publicidade de várias marcas. Este palmarés “obrigou-nos” a pensar que quando entrevistamos os nossos “embaixadores” temos não só de estar à altura dos mesmos, mas principalmente estarmos confortáveis com o papel a desempenhar. Mais do que o dress to impress é o “vestir o personagem” daquele momento de (boa) conversa.

JR5_6271v2_JR

E desde logo percebemos (as miúdas da equipa) que era importante sermos vestidas neste papel de forma a mantermos a nossa identidade, estarmos seguras e “bem-parecidas”. Foi então que pensámos em uníssono (leia-se a Catarina e eu, que o Joel deixou essa decisão nas nossas mãos) na Byzz. A marca criada pela Sandra Bizarro tem um problema sério quando se entra na loja – gosta-se de tudo, quer-se trazer tudo, por isso o difícil é escolher. É tudo giro? É. Mas é mais do que isso. As roupas penduradas naqueles cabides parecem que têm um megafone a gritar-nos ao ouvido: experimenta-me que vai-te ficar “a matar”. E não é que se lhe damos ouvidos elas ficam mesmo?

Conheço a Sandra há alguns anos e sempre fui contagiada pela sua onda positiva e de bom astral. E quando se entra na Byzz isso sente-se em todo o lado, mas principalmente, no atendimento: da Sandra, da Patrícia e da Luísa. Por isso, ficámos muito felizes e honradas quando a Sandra quis vestir-nos para as produções do blog.

Nós aqui vestimos Byzz.
Nós aqui agradecemos isto.

baía_seixal

O “ESCRITÓRIO” NA BAÍA DO SEIXAL

trabalhamos 1

Esta semana foi de serendipidade para a nossa equipa.

Captura de ecrã 2015-11-22, às 18.45.42

E há poucas coisas melhores que isso. Nós aqui, adoramos o wow effect (“efeito uau” para quem não gosta de estrangeirismos). Isto é, adoramos ser surpreendidos por aquelas descobertas que podem até ser simples, mas que nos deixam de alma cheia e um “sorriso de orelha a orelha”. Foi o caso desta tarde de trabalho em que usámos como “escritório” a baía do Seixal. Estávamos por ali e precisámos preparar uma reunião. Optámos por escolher aquele local para trocar umas ideias e tomar decisões. Foi um feliz acaso. Mas, como afirmou Louis Pasteur o acaso só favorece a mente preparada. E as nossas mentes estão sempre preparadas para boas descobertas. Principalmente aqui, na South Bay.

Podíamos ter chegado aquelas conclusões no nosso escritório habitual? Podíamos, mas não era a mesma coisa.

O dia estava a pedir uma esplanada e uma boa conversa. E, nós aqui, somos bons a satisfazer (alguns) pedidos. Este foi um deles. A vista tem um efeito ansiolítico (sem os efeitos secundários) e transmite uma sensação de paz e tranquilidade. É o espaço ideal para passear, correr, andar de bicicleta ou simplesmente deixar-se ficar com a companhia do rio e da vista absolutamente fantástica da capital.

baia_ma_linda

Esta recomendação já nos tinha sido feita por alguns “embaixadores” com quem falámos como o Vasco Boucinha (ver aqui) ou os Anjos (ver aqui). E nós aqui dizemos que eles estavam certíssimos. O nosso muito obrigada pela sugestão.

Nós aqui temos a Baía do Seixal.
Nós aqui temos isto.

castanhas

NÓS AQUI, TEMOS MAGUSTOS.

#NOSAQUI 5

Se o Natal é quando um Homem quiser o magusto também. Neste último caso, enquanto for época de castanhas. Eu adoro castanhas. Se há coisa que aprecio no tempo mais frio é comer castanhas, sejam elas assadas, cozidas, cruas ou “disfarçadas”, como por exemplo, em puré de castanha.

Por isso, o Lisbon South Bay blog marcou presença na festa do magusto no Parque Desportivo da Verdizela organizada pela Associação de Moradores da localidade. E ainda bem. Foi uma tarde muito bem passada ao ar livre, mas como se estivéssemos em casa. Fui com a Victória de bicicleta e parecia um encontro de pais e mães da escola. Como diz a Catarina nós aqui temos a sorte de ver a segunda geração, os nossos filhos, andarem todos juntos na escola e por isso acaba por ser um ambiente familiar, onde toda a gente se conhece.

castanhas1

A Associação de Moradores tinha tudo muito bem organizado e os “comes e bebes” estavam uma delícia com um serviço de primeira. Provavelmente só aqui é que uma dúzia é igual a 16, mas nós aqui gostamos da exceção que confirma a regra. Sim, porque as castanhas “eram boas, mas boas” e fizeram o meu estômago bater palmas de contente. Para não correr o risco de se apanhar alguma podre e, vá mais uma ou duas para a menina, serviram “a dúzia” com 16 castanhas.

O parque está muito bem cuidado e com diversas atrações: escorregas, baloiços, parque de merendas, campos de ténis, padel, futebol, ping pong, basket e casas de banhos asseadas para pequenos e graúdos.

Captura de ecrã 2015-11-23, às 11.04.51

Mas, nós aqui temos mais S. Martinho por isso aproveitem num magusto perto de si.

Nós aqui temos magusto.
Nós aqui temos isto.