Artigos

TAVERNA O BOBO DA CORTE

NO BOBO VIREI PRINCESA. Por Catarina Laborinho

degustamos

Para quem já conhece o Bobo, a Taverna o Bobo da Corte, sabe bem do que estou a falar, lá viramos Princesas e eu, claro, não fui exceção.

Encontrámos o Bobo por mero acaso. O tripadvisor é um facilitador para quem anda sempre à caça de novos e bons restaurantes. E claro, o Bobo apareceu logo na primeira linha.
O Sol nesse dia andava à espreita, mas o frio que continuava a fazer-se sentir não nos privou de um excelente manjar dos deuses, ou de reis, já que assim que entrei virei “principessa”.
No caminho liguei para marcar mesa, do outro lado da linha ouço um: “estamos cheios” … OHHH… ripostei de imediato, mas do nada ouço uma voz ao fundo a dizer: “acabei de receber um cancelamento…” nesse instante o Cláudio pergunta quantos somos…. apenas 2 😉

A Taverna o Bobo fica mesmo dentro do Castelo de Palmela, quando chegámos, ligámos a perguntar para que lado era, a Lurdes, despachada como acabámos por constatar diz: “venham em direção à Torre”, e lá fomos nós.
Quando entrámos fomos recebidos com um sorriso de orelha a orelha, é importante reforçar que nunca lá tínhamos estado, mas aquele “conforto” faz-nos logo sentir em casa. Saltou logo a piada dos 8 mint, já que no caminho quando estava a marcar mesa acabei por comentar: “o gps diz que daqui a 8 mint estamos ai” 😀 – não fosse alguém querer a nossa mesa.
Ficámos num canto do restaurante. O espaço é pequeno, aliás muito pequeno. Lá dentro o Bobo deve ter umas 7 ou 8 mesas (não as contei), mas muito, muito acolhedor.

TAVERNA O BOBO DA CORTE
Olhámos para a lista várias vezes, a oferta era muita e a vontade de provar tudo também… provámos o que a barriga comportou, queijo de cabra regado com azeite e orégãos, frango com mostarda, espetadas de enchidos, gambas com alho (de tamanho real, à seria), batata frita doce e para regar isto tudo uma sangria de moscatel… sim, leram bem, sangria de moscatel. Nunca tínhamos bebido e claro que não nos ficámos apenas por um jarro 😀

Entre Princesas e sorrisos, ficámos lá algum tempo, mas apenas assim é que iríamos conseguir apreciar o momento a dois (adoramos os nossos filhos, mas fazer programas a dois é algo mágico) e fazer a “digestão” da sangria.

Já de barriga cheia, viemos até à esplanada para apreciar a vista que é de perder o fôlego e beber o nosso café… o sol andava à espreita e não podíamos deixar de aproveitar os pequenos minutos para carregar energia.

Quando saímos o Cláudio veio-nos perguntar como tínhamos encontrado o seu restaurante. Fácil! Pelo Trip… o Bobo apareceu em primeiro lugar em Palmela e nós viemos conhecer.
Conversa puxa conversa, acabámos a falar em restaurantes e como não podia deixar de ser… no blog, claro!
Confesso que sou uma grande apreciadora de comida. Adoro comer, adoro comer bem, adoro conhecer espaços onde vamos sem nenhuma expectativa e saímos de lá fascinados, como foi o caso da Taverna o Bobo. Para ajudar a isto, o Tiago também adora… que dupla! Mas também adoramos cozinhar, receber os nossos amigos, fazer almoçaradas que acabam noite dentro… talvez por isso somos sempre tão críticos nos restaurantes que vamos conhecendo.

TAVERNA O BOBO DA CORTE

Já no fim, e aí sim como uma gentil oferta, o Cláudio e a Lurdes deram-nos a conhecer o Moscatel de Palmela que pouco depois se fez acompanhar pelo Moscatel Roxo Venâncio da Costa Lima.
Se gostam de Moscatel tem que provar este… gostámos tanto que acabámos por comprar uma garrafa na lojinha que a Taverna o Bobo tem ao lado do restaurante.
Quanto à dolorosa, valeu cada cêntimo… o almoço rondou os 50€ (com um jarro e meio de sangria +- 18€), mas repito, valeu cada cêntimo.

Será sem dúvida um espaço a revisitar e uma experiência a repetir.
Lurdes e Cláudio, obrigada por cada gargalhada e prometemos que para a próxima iremos marcar com uma maior antecedência 😀
Obrigada por toda a hospitalidade!

Nós aqui desejamos-vos MUITO SUCESSO.
Nós aqui degustamos isto

Texto e Fotos: Catarina Laborinho